José Adorno/Reuters
José Adorno/Reuters

Contra racismo, presidente da Fifa pede punição aos clubes

Joseph Blatter radicaliza sobre punição e fala em rebaixar os times

O Estado de S. Paulo

04 Março 2015 | 12h05

 Joseph Blatter, presidente da Fifa, pede punição rigorosa contra o racismo no futebol. A sua proposta é radical e fala, pela primeira vez, em tirar pontos ou rebaixar o clube que se deixar envolver por insultos raciais. O dirigente garante que essa medida pode ser a mais eficaz contra a discriminação racial nos estádios em todo o mundo.

“O principal problema que temos visto nesse continente é o racismo, a discriminação, e não podemos aceitar. Continuamos a lutar contra a discriminação. Temos hoje o presidente da força-tarefa da Fifa, Jeffery Webb, que segue no mundo inteiro. Temos os regulamentos, mas não são aplicados no mundo inteiro. Devemos fazer um exemplo em algum dia. Não é banir o estádio e dar multa. É retirar pontos ou rebaixar um time. Quando tivermos isso, vão parar o racismo e a discriminação”, disse Blatter em discurso no Congresso da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), nesta manhã, em Assunção.

O discurso pesado de Blatter teve boa aceitação entre os participantes do congresso. Bom lembrar que o cartola é candidato ao quinto mandato na Fifa e vai disputar as eleições em maio com mais quatro concorrentes –entre eles o ex-jogador Luis Figo.

O dirigente aproveitou também para elogiar velhos amigos em busca dos votos da Conmebol na corrida pela presidência da Fifa.

“Queremos dar a CBF um cumprimento muito grande pela organização da Copa do Mundo de 2014. Esse evento é o maior do mundo. Não unicamente pelo aspecto desportivo, mas da organização, que foi um exemplo para todos e a repercussão no mundo através dos meios de difusão, especialmente os eletrônicos. Foi excepcional o entusiasmo do mundo inteiro”, afirmou Blatter de olho novos voto da CBF.

E finalizou com uma referência ao seu padrinho político, João Havelange (presidente da Fifa, de 1974 a 1998).

“São 99 anos que foi fundada a primeira confederação, no trâmite da Fifa, a Conmebol. E 1916 é também o ano de nascimento de João Havelange, que continua seguindo o futebol e continua a pensar que o futebol precisa de gerar desenvolvimento social no futuro.” Palavras de Blatter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.