1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Alemanha e França lutam pela sobrevivência na Copa

Mateus Silva Alves e Raphael Ramos - Enviados especiais ao Rio de Janeiro - O Estado de S. Paulo

03 Julho 2014 | 22h 43

Equipes acreditam que jogo aberto ajudará futebol apresentado

Alemanha e França disputarão nesta sexta-feira, às 13h, no Maracanã, o mais importante clássico europeu da Copa do Mundo do Brasil até agora. A expectativa é de um jogo de altíssimo nível, em razão do grande número de craques em campo.

Os alemães confiam em uma das suas melhores gerações, com jogadores que aliam força física e talento, campeões de quase tudo por seus clubes, para continuarem lutando para acabar com um jejum de 24 anos sem títulos. Já os franceses, com um time renovado e promissor, querem mostrar que continuam vivos - e fortes - depois do vexame de serem eliminados na primeira fase da última Copa. Quem passar pode enfrentar o Brasil na semifinal.

A rivalidade entre os vizinhos sempre foi enorme, mas tornou-se ainda maior nos anos 80, quando alemães e franceses se enfrentaram em duas semifinais de Copa do Mundo consecutivas, com duas vitórias da Alemanha. A partida da tarde desta sexta, portanto, dará à França a oportunidade de vingança.

Patrick Stollarz/AFP
Joachim Löw acredita que futebol apresentado pela Alemanha ainda pode melhorar na Copa

A chance é boa para os franceses porque a Alemanha tem sido um tanto errática na Copa. Começou como um trator, atropelando Portugal, mas depois tropeçou em Gana e obteve uma vitória sem graça sobre os Estados Unidos. Nas oitavas de final, transformou um aparentemente tranquilo confronto com a Argélia em pesadelo.

Joachim Löw sabe que o futebol mostrado pela Alemanha no Mundial não tem sido exatamente uma beleza. Aliás, a torcida alemã também sabe, tanto que são fortes as críticas à seleção. Para acabar com elas - e obter a classificação -, o plano é evitar a repetição dos muitos erros cometidos contra a Argélia. Ele sabe que sua equipe tem de acelerar a troca de passes no ataque e não perder tanto a bola no meio de campo.

Como a defesa é pesada e lenta, será muito ruim oferecer à França a chance de contra-atacar. Se os argelinos já atormentaram a Alemanha com sua velocidade, causa ainda mais preocupação a possibilidade de os franceses explorarem as fragilidades dos seus zagueiros.

"Eu não creio que nós já tenhamos mostrado nosso melhor futebol na Copa", disse Löw. Ele acredita que hoje a Alemanha encontrará as condições ideais para brilhar. "Jogamos contra times que não tinham nada a perder, como Gana e Estados Unidos. Contra a Alemanha, esses times menores fazem o jogo da vida deles."

Copa 2014