1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Alemanha usa pesquisa acadêmica em plano de jogo contra o Brasil

ERIK KIRSCHBAUM - REUTERS

07 Julho 2014 | 16h 22

Informações compiladas por universidades, além de relatórios dos 'olheiros',  têm sido usadas para analisar em detalhes os adversários

O fato de um time europeu nunca ter vencido nenhuma das seis Copas do Mundo disputadas na América Latina não é um prospecto que assombre os alemães enquanto se preparam para enfrentar o Brasil na semifinal da Copa do Mundo no Brasil, disse o auxiliar técnico Hansi Flick.

A tricampeã mundial Alemanha está confiante que dois anos de meticulosas pesquisas feitas por universidades, combinadas com as observações e preparativos, vão garantir uma vantagem contra os pentacampeões brasileiros que jogam em casa.

"Estamos muito, muito bem-preparados e estamos ansiosos para jogar contra o Brasil", disse Flick a jornalistas ao ser perguntado sobre como Alemanha planeja encerrar o domínio das equipes latino-americanas na região.

Thomas Eisenhuth/EFE
Auxiliar técnico de Joachim Löw, Hansi Flick, garante que os alemães estão bem preparados

"Estamos trabalhando nesse projeto pelos últimos dois anos e todo nosso sistema foi construído para isso", acrescentou.

A Alemanha ainda está invicta no Mundial, mas ainda não enfrentou nenhum time latino-americano: as quatro vitórias dos alemães foram contra Portugal, Estados Unidos, Argélia e França, e houve também um empate contra Gana.

Grandes equipes europeias como Espanha, Itália e Inglaterra já foram derrotadas ou eliminadas por times sul-americanos.

Flick disse que para estarem pronto para os times sul-americanos, a Alemanha se beneficiou de uma enorme base de dados organizada por cerca de 50 estudantes da universidade de esporte de Colônia pelo últimos dois anos.

As informações compiladas, somadas aos relatórios dos chamados "olheiros", têm sido usadas para analisar detalhadamente o Brasil e seus jogadores.

"Os estudantes de esportes em Colônia têm estudado aos mínimos detalhes nosso adversário e colocaram cada jogada feita por eles, todo artigo escrito sobre eles, e tudo que já foi divulgado sobre eles sob o microscópio e disponibilizaram todos esses dados a nós", disse Flick na base da Alemanha no Brasil, na Bahia.

"Temos essa base de dados imensa da qual podemos partir, junto com nossos olheiros, somos capazes de observar de perto nosso adversário e traçar nossos planos para a partida. É um projeto no qual temos trabalhado intensivamente pelos últimos dois anos. Fomos capazes de compilar algumas informações de qualidade ótima a partir dos dados dos estudantes. Nos ajudou muito a se preparar", acrescentou.

A Alemanha tem recorrido aos estudantes da universidade de esportes de Colônia cada vez mais nos últimos dez anos.

O ex-técnico da Alemanha Jürgen Klismann foi o primeiro a lançar mão dos dados acumulados pelos estudantes, a maior parte deles entusiastas de futebol animados em trabalhar num projeto que pode ajudar, mesmo que de uma maneira mínima, a conquista de um título mundial.

Copa 2014