1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Chefe de arbitragem da Fifa pede jogo limpo durante Copa do Mundo

Márcio Dolzan - O Estado de S. Paulo

06 Junho 2014 | 20h 13

Árbitros escalados para os jogos do Mundial fazem treinamento desde o início da semana no Clube Futebol Zico (CFZ), no Rio

O chefe do departamento de arbitragem da Fifa, o suíço Massimo Busacca, pediu nesta sexta-feira que as seleções joguem limpo na Copa, fazendo também um apelo para que os jogadores não simulem faltas na competição que acontecerá no Brasil. A declaração foi dada em conversa com jornalistas logo após o treino aberto dos árbitros escalados para o Mundial, que se preparam desde o início da semana no Clube de Futebol Zico (CFZ), na zona oeste do Rio de Janeiro.

"Você pode vencer uma partida com uma simulação, você pode vencer um jogo 'mergulhando'. Mas quando você vai para casa, o que você vai dizer para seus filhos? 'Eu venci um jogo simulando, eu venci um jogo me atirando'?", questionou o ex-árbitro suíço.

"Nós queremos ver o fair-play. Nós estamos no país do futebol, você não pode querer ganhar um jogo se atirando", declarou Busacca. "Para os árbitros, às vezes é muito difícil. Nós estamos falando de dois ou três centímetros, os lances são muito rápidos. Nós estamos pedindo fair-play aos jogadores".

BRASIL

Representante brasileiro entre os árbitro que vão apitar no Mundial, Sandro Meira Ricci, que é filiado à Federação Pernambucana de Futebol (FPF), reconheceu a ansiedade para apitar seu primeiro jogo numa Copa, mas garantiu estar preparado para o desafio.

Marcos Arcoverde/Estadão
Sandro Meira Ricci será o árbitro brasileiro na Copa

"A preparação não vem de hoje. A gente está finalizando, fazendo os últimos ajustes, mas esta preparação vem desde a Copa passada, com os treinamentos que a Fifa orientou", contou o árbitro brasileiro. Segundo ele, a ideia da preparação feita nesta semana no Rio é "uniformizar a arbitragem".

Ricci afirmou ainda que a entidade não deu nenhuma orientação específica sobre deixar o jogo correr ou assinalar mais faltas na Copa. "Temos que aplicar a regra do jogo", frisou. "É importante a gente ter leitura de jogo. O jogo está muito rápido e a gente precisa ter uma leitura adequada para antecipar e tomar melhor as decisões".

Ele também se mostrou entusiasmado com a tecnologia da linha do gol, que será utilizada pela primeira vez na Copa do Mundo. "Qualquer inovação tecnológica que venha para garantir, com a absoluta precisão, a tomada de decisão da arbitragem, é uma preocupação a menos. O sistema funcionou muito bem no Mundial de Clubes", destacou.

Além de Ricci, os auxiliares Emerson de Carvalho e Marcelo Van Gasse completam o trio de arbitragem brasileiro na Copa. Todos eles participam do treinamento, que vai até a próxima terça-feira, antevéspera da abertura da competição.

Copa 2014