1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

'Dívida' da CBF leva amistoso da seleção brasileira para Goiânia

Sílvio Barsetti - Enviado Especial - O Estado de S. Paulo

02 Junho 2014 | 07h 00

Capital de Goiás ficou fora da Copa do Mundo, da Copa das Confederações e da lista de locais oficiais de treinamento

GOIÂNIA - O novo amistoso do Brasil em Goiânia (contra o Panamá, na próxima terça-feira, 16h) é mais uma iniciativa da CBF para saldar algumas “dívidas” com a cidade. Há quatro anos, a capital de Goiás recebeu a informação do então presidente da entidade, Ricardo Teixeira, de que seria sede da Copa das Confederações, em 2013, o que não ocorreu. Antes, Goiânia já havia perdido a luta para ser uma das 12 escolhidas para os jogos da Copa do Mundo - Cuiabá acabou sendo a “representante” do Centro-Oeste.

Em outra costura de Teixeira, depois que o ex-dirigente foi alertado pela Fifa de que na Copa das Confederações só os estádios do Mundial deveriam ser utilizados, ele prometeu que Goiânia seria uma das sedes da Copa América de 2015. O fato ganhou repercussão no Estado e autoridades locais se manifestaram publicamente a favor de Teixeira. Mas a competição foi transferida para o Chile e o Brasil só voltará a abrigar uma Copa América em 2019.

Fabio Motta/Estadão
Brasil viaja para Goiânia onde enfrentará Panamá

Logo no início da preparação do Brasil para o Mundial, Teixeira recebeu da Assembleia Legislativa de Goiás o título de cidadão goiano. Em seus discurso de agradecimento, disse que não poderia virar as costas para um dos Estados que mais o apoiaram em seus momentos difíceis à frente da CBF. O ex-presidente referia-se à atuação de políticos goianos que minimizaram as investigações de duas CPIs com foco em denúncias contra ele e a CBF.

O outro revés de Goiânia, agora sem interferência direta da CBF, ficou por conta da exclusão da cidade da lista dos locais que vão servir de base para as 32 seleções da Copa do Mundo. Com obras de reforma em três áreas - o estádio Serra Dourada, o CT do Atlético, e o complexo da serrinha, que pertence ao Goiás -, o investimento público de mais de R$ 10 milhões ficou sem efeito.

Numa passagem por Goiânia no final do ano passado, o atual presidente da CBF, José Maria Marin, ouviu pedidos para que a cidade substituísse Teresópolis na preparação da seleção para a Copa. Ele desconversou e não disse sim nem não. Afirmou apenas que a seleção realizaria amistosos, sempre que possível, na capital. O jogo com o Panamá está inserido nesse contexto. Marin tenta assim frear as críticas que muitos goianos devem fazer a Teixeira e, por extensão, à CBF.

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo