1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Em jogo histórico, Bósnia pretende surpreender Argentina

Gonçalo Junior e Marcio Dolzan - Agência Estado

14 Junho 2014 | 20h 54

Sem nunca ter disputado uma Copa do Mundo, seleção europeia mostra ansiedade e passa favoritismo aos rivais deste domingo

O Maracanã será palco neste domingo da aguardada estreia da Argentina na Copa do Mundo, mas é para o "desafiante" da noite que a partida será de fato histórica. A partir das 19h, a Bósnia-Herzegovina fará seu primeiro jogo na Copa do Mundo, motivo pelo qual são esperados cinco mil bósnios no estádio. Neste sábado, véspera do jogo, técnico e jogadores não esconderam a expectativa para estreia, mas reconheceram o favoritismo da seleção sul-americana.

"Acreditamos que a Argentina é favorita não apenas para o jogo, mas também uma das candidatas à conquista da Copa", afirmou o técnico Safet Susic. "Mas posso garantir que nossos jogadores estão prontos", continuou.

Questionado sobre como parar Lionel Messi, Susic desconversou, mas nas entrelinhas deixou clara a sua preocupação com o camisa 10 argentino. "Me perdoem os brasileiros, mas Messi é um dos melhores jogadores de todos os tempos", avaliou.

Fabio Motta/Estadão
Jogadores da Bósnia treinam no gramado do Maracanã antes da partida contra a Argentina

Para o capitão Spahic, zagueiro do Bayer Leverkusen, o fato de Messi aparentemente não apresentar o mesmo rendimento na seleção e no Barcelona é apenas obra do acaso. "Não existe um clone do Messi, ele é sempre o mesmo", disse o defensor.

Apesar de reconhecer o favoritismo da Argentina, Susic garantiu que sua equipe será um páreo duro. "Não posso garantir que vamos vencer ou empatar, mas vamos representar bem o nosso país", comentou Susic, dizendo ainda que deverá ir para o jogo com três atacantes.

A esperança de vitória da Bósnia recai justamente sobre o ataque, que conta com a principal estrela da seleção, Edin Dzeko, do inglês Manchester City, e com Vedad Ibisevic, autor de dez gols pelo Stuttgart no último campeonato alemão.

Mas o técnico argentino, Alejandro Sabella, apontou para outro perigo, que não escolhe jogador. "Eles possuem uma equipe muito alta", destacou o argentino, lembrando as possibilidades de jogo aéreo do selecionado europeu. "É uma equipe criativa, que se posta bem na defesa, mas também busca fazer um jogo ofensivo."

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo