Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Empresa sócia da Fifa acusa polícia do Rio de realizar prisão ilegal

Futebol

esportes

Copa 2014

Empresa sócia da Fifa acusa polícia do Rio de realizar prisão ilegal

Suspeito entregou credencial para a Fifa nesta quarta-feira; segundo empresa, ingressos da Match jamais foram vendidos para cambistas

0

Jamil Chade e Tiago Rogero - Enviados especiais ao Rio de Janeiro,
O Estado de S. Paulo

09 Julho 2014 | 17h38

A Match, empresa sócia da Fifa, acusa a polícia do Rio de ter feito uma prisão "arbitrária e ilegal" de Ray Whelan, executivo acusado de estar envolvido na quadrilha de cambistas da Copa do Mundo. Segundo a companhia, os ingressos negociados entre Lamine Fofana - chefe dos cambistas preso há uma semana - e Whelan jamais foram vendidos.

Ontem, escutas telefônicas entre Whelan e Fofana apresentadas à imprensa revelavam como o cambista e o executivo negociavam pacotes de ingressos durante a Copa.

A empresa confirma que Whelan falou pelo telefone com Fofana. Mas insiste que "não houve crime". Segundo a companhia, os ingressos solicitados por Fofana foram oferecidos por Whelan por seu preço de tabela, de US$ 24,7 mil.

Os ingressos teriam sido uma sobra de um pacote que havia sido comprado em 2013 ainda por uma rede hoteleira no Rio. Naquele momento, o hotel solicitava 42 ingressos. Mas informou em maio de 2014 que reduziria seu pedido. Para não ficar com os ingressos na mão, no valor de US$ 594 mil, a empresa explica que optou por revender a sobra pelo preço oficial.

Apesar de a Fifa dizer que Whelan não lidava com ingressos, o comunicado da Match aponta que o suspeito negociou os ingressos na capacidade de "consultor da Match".

Mas garante que os ingressos jamais foram vendidos. "Whelan não sabia que a Match havia bloqueado a venda para Fofana", justificou a empresa. A empresa de Fofana havia sido impedido de comprar ingressos, segundo a Match, depois que ficou provado que a companhia estava agindo no mercado negro. "As vendas jamais ocorreram", garantiu a Match.

Ilegal - Para a companhia, a divulgação das escutas telefônicas é ilegal e a polícia está tirando conclusões "sem fazer investigações e sem entender minimamente" como funciona a venda de pacotes. Em um comunicado emitido hoje, a Match acusa a polícia de "selecionar" o que vaza para a imprensa e está interpretando o que Whelan afirma.  

A empresa confirma, como o Estado havia antecipado, que Whelan vai entregar "de forma voluntária" sua credencial para a Copa do Mundo. "Whelan quer reafirmar seu compromisso em proteger os interesses da Match e da Copa". Mas ele garante que não cometeu qualquer crime e está certo de que será absolvido.

A Match ainda acusa a polícia de não divulgar quais ingressos foram apreendidos. Mas a empresa estima que os ingressos sejam antigos ou dos diretores da Match. 

Mais conteúdo sobre: