1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Messi marca no fim e salva a Argentina contra o Irã

Gonçalo Junior - enviado especial a Belo Horizonte - O Estado de S. Paulo

21 Junho 2014 | 15h 13

Gols aos 46 minutos do segundo tempo garante vitória por 1 a 0 no Mineirão e vaga antecipada para nas oitavas de final

Aos 46 do segundo tempo, Messi dominou na entrada da área, chutou com categoria e marcou o gol da dolorosa vitória da Argentina sobre o Irã por 1 a 0. Resolveu um jogo dramático em que o time correu riscos e o Quarteto Fantástico não funcionou. Messi levou Argentina às oitavas e foi reverenciado como um deus. Com justiça.

A tão aguardada formação ofensiva com Di María, Messi, Agüero e Higuaín não funcionou. Faltava criatividade e velocidade. Os 75% de posse de bola que as estatísticas da Fifa atestavam não mostraram a falta de objetividade da maioria dos passes, quase sempre laterais. Sem inspiração, Messi tentou arrancar algumas vezes, mas foi bloqueado. Quando sofreu uma falta, na metade da etapa inicial, desperdiçou a cobrança.

Os argentinos não conseguiam furar o aguardado bloqueio iraniano porque a troca de passes era lenta e previsível. Faziam um jogo de paciência, quase de preguiça, até que o espaço brotasse. Ele só apareceu uma vez: a melhor chance foi com Higuaín aos 12 minutos, defendida pelo goleiro Haghighi.

Argentina x Irã
Clayton de Souza/Estadão

Líder do Grupo F, a Argentina ainda não sacramentou sua classificação, mas caminha rumo as oitavas de final

Batendo a cabeça no muro vermelho, a Argentina começou a cruzar bolas na área. Algo improvável com atacantes tão habilidosos. Com esse expediente, conseguiu a melhor chance do jogo em uma cabeçada de Rojo. Um lance isolado de perigo no primeiro tempo.

Nas arquibancadas, o jogo foi mais quente. A exemplo do que aconteceu no Maracanã, quando os brasileiros apoiaram a Bósnia, os gritos de "pentacampeão" começaram desde o primeiro tempo. As provocações a Messi também. Vestidos de verde e amarelo, os brasileiros atenderam à convocação do técnico Carlos Queiroz, que queria a torcida local a seu favor. A cordialidade e o fair play entre as torcidas no jogo do Rio deram lugar às provocações.

O panorama do segundo tempo teve uma alteração importante, mas desfavorável para os argentinos. Todos os iranianos que sempre marcavam atrás da linha da bola, espremidos em seu próprio campo, começaram a ousar alguns contra-ataques. A melhor jogada da partida aconteceu aos 11 minutos. Mostrando uma habilidade incomum, o meia Shojaei passou por três argentinos. Reza acertou um peixinho e obrigou Romero a trabalhar.

A confiança argentina desmoronou e o jogo ficou equilibrado. Pairava sob o favorito o drama vivido por Itália e Uruguai, que foram derrotados pela Costa Rica. Tocando a bola no campo do rival, o Irã comprovou as fragilidades da zaga argentina.

Depois de tentar o jogo aéreo, os argentinos apelaram para a individualidade. Di María chutou em cima do goleiro e Messi arrancou, mas errou o alvo. Sabella sacou o inexistente Agüero e o esforçado Higuáin pelos estreantes Lavezzi e Palacio.

O time melhorou com os dois, mas se abriu para o contra-ataque. Romero salvou a Argentina de uma tragédia aos 41. Mas quem tem Messi, tem tudo.

FICHA TÉCNICA

ARGENTINA 1 X 0 IRÃ

ARGENTINA - Romero; Zabaleta, Garay, Federico Fernández e Marcos Rojo; Mascherano, Gago e Di María (Biglia); Messi, Agüero (Lavezzi) e Higuaín (Higuaín). Técnico: Alejandro Sabella.

IRà- Alireza Haghighi; Hosseini, Montazeri, Sadeghi e Pooladi; Teymourian, Nekounam, Hajsafi (Reza Haghighi), Shojaei (Heydari) e Dejagah (Alireza); Ghoochannejhad. Técnico: Carlos Queiroz.

Gol - Messi, aos 45 minutos do segundo tempo.

Cartões Amarelos - Nekounam e Shojaei (Irã).

Árbitro - Milorad Mazic (Fifa/Sérvia).

Renda - Não disponível.

Público - 57.698 torcedores.

Local - Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

Copa 2014