Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Oscar não teme perder espaço para Willian na seleção brasileira

Futebol

esportes

Copa 2014

Oscar não teme perder espaço para Willian na seleção brasileira

Meia tem a confiança de Felipão por ser o único capaz de cadenciar o jogo e segurar a bola quando o time precisa se reposicionar

0

Robson Morelli - Enviado especial,
O Estado de S. Paulo

05 Junho 2014 | 06h49

Oscar não sai do time. Ele tem a confiança de Felipão por ser o único capaz de cadenciar o jogo da seleção e segurar a bola quando o time precisa de tempo para se posicionar melhor – sem falar de sua condição de fazer lançamentos às costas dos marcadores. É imprescindível para o Brasil na Copa, porque todos os outros são mais explosivos.

Oscar também tem nos chutes colocados uma de suas especialidades. Ocorre que, até agora na seleção, em treinos e no amistoso em Goiás, o meia não tem feito nada disso, ou bem pouco. Ele sabe que será cobrado e que sua condição se reflete diretamente no desempenho da equipe. "Precisamos melhorar muito ainda, há muita coisa a ser feita. Temos de melhorar nossa pressão na frente, o toque de bola, posicionamento."

O que tem salvado Oscar são os gols nos coletivos, embora sua movimentação não tenha chamado a atenção.

No Serra Dourada, depois que Neymar abriu caminho para a vitória, o Brasil melhorou. Oscar subiu de produção quando deixou o lado direito do time e se deslocou para o meio. Seus passes melhoraram. O rival também afrouxou a marcação.

Felipão saiu em defesa do jogador e não demonstra preocupação com seu "organizador". Quando explodiu com a defesa na Granja, o técnico pegou no pé do sistema defensivo. Oscar escapou da bronca. Por ser mais introvertido e de gestos contidos, ele recebe abordagens reservadas. Parreira é quem faz esse primeiro contato, conversa, dá dicas, passa orientações.

Oscar sabe que Willian vem chegando. Foi dele um dos gols na vitória contra o Panamá em Goiânia. Para o meia, porém, Willian faz outra função. "Nós exercemos funções diferentes no Chelsea. Eu sou mais armador, e ele é mais atacante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.