1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Thiago Motta é testado por Cesare Prandelli e deve ser titular

Luís Augusto Monaco - Enviado Especial - Mangaratiba - O Estado de S. Paulo

18 Junho 2014 | 18h 55

Marco Veratti foi elogiado por partida contra Inglaterra, mas pode dar lugar ao brasileiro naturalizado italiano

Cesare Prandelli gosta muito do futebol de Marco Verratti e elogiou sua atuação diante da Inglaterra, mas resolveu sacá-lo da seleção italiana titular para colocar Thiago Motta – o paulista nascido em São Bernardo do Campo que é naturalizado italiano. Ele será titular na próxima quinta-feira, 18contra a Costa Rica, em Recife, e a tendência é que seja mantido na equipe até o fim da Copa.

O treinador gostou muito da participação de Thiago Motta nos pouco mais de 30 minutos que jogou contra os ingleses (entrou aos 12 do segundo tempo em lugar de Verratti). Em sua opinião, a marcação pelo lado esquerdo ficou mais consistente sem que a qualidade no passe, a grande virtude do time, sofresse prejuízo. Pelo contrário, porque Motta acertou os 26 passes que deu – Verratti errou três em 62 tentativas. Além disso, a diferença de altura (o novo titular tem 1,87m, 12 cm a mais do que o companheiro) deixa a Azzurra mais forte nas bolas aéreas nas duas áreas. “Thiago é um jogador de grande classe, que sabe marcar e também tem dotes de armador”, disse De Rossi.

Thiago Motta tem 31 anos, e é um daqueles casos de brasileiros que vão embora para a Europa antes mesmo de jogarem por aqui. Em 1999m quando tinha 17 anos, trocou o Juventus pelo Barcelona. E não voltou mais. Jogou na equipe principal do Barça e depois passou por Atlético de Madrid, Genoa e Inter até chegar ao Paris Saint-Germain – onde está agora, junto com Verratti.

A partida de amanhã na Arena Pernambuco será a sua primeira oficial em campos brasileiros desde que se tornou profissional – em  2003, pela seleção sub-23 que se preparava para o Torneio Pré-Olímpico sob a direção de Ricardo Gomes, ele disputou um amistoso contra o Santos na Vila Belmiro.

Ontem o jogador afirmou que 'se sente italiano', para alegria dos jornalistas do país que cobrem a Azzurra. "Sou um italiano nascido no Brasil. Meu sonho sempre foi jogar na Italia, e não pela seleção brasileira, embora tenha aceitado a convocaçção para a seleção sub-23 em 2003".

Sua estreia na Azzurra foi em fevereiro de 2011, num amistoso com a Alemanha que terminou 1 a 1. No ano seguinte, fez parte do grupo vice-campeão da Eurocopa e participou de cinco das seis partidas da competição – em três delas como titular. Na final contra a Espanha, foi involuntariamente decisivo. Entrou aos 11 minutos do segundo tempo em lugar de Montolivo, num momento em que a Itália era melhor e tentava diminuir o placar de 2 a 0. Mas se machucou quatro minutos depois, teve de sair e deixou o time com dez porque Prandelli não tinha mais substituições a fazer. E o jogo acabou 4 a 0.

Ettore Ferrari/EFE
Jogador pode ser surpresa contra a Costa Rica, na próxima quinta-feira

Mudanças – A Itália terá mais duas novidades amanhã em relação ao time da estreia. Buffon volta ao gol em lugar de Sirigu e o lateral Abate entra no lugar de Paletta, com Chiellini voltando para a zaga – Darmian deixa o lado direito e vai jogar jogar na esquerda. De Sciglio está recuperado de uma contratura muscular na coxa esquerda, mas Prandelli prefere lhe dar mais alguns dias de treino antes de colocá-lo na equipe. Outra mudança pode ser a entrada de Bonucci no lugar de Barzagli, que não treinou ontem.

Copa 2014