1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Um dos líderes belgas, Witsel fala português e é amigo de Hulk

Vítor Marques - enviado especial a Belo Horizonte - O Estado de S. Paulo

19 Junho 2014 | 05h 00

Volante aprendeu o idioma quando defendeu o Benfica. Naquela época também conheceu o atacante brasileiro, que atuava no Porto

"Mineirão, o que é isso?" O nome do estádio que a seleção da Bélgica jogou na terça-feira foi a única palavra em português que o volante Axel Witsel não entendeu nas duas entrevistas que concedeu a jornalistas brasileiros, antes e depois da vitória contra a Argélia.

Witsel aprendeu a falar português quando defendeu o Benfica e conheceu o atacante brasileiro Hulk, que atuava no rival Porto. Os laços de amizade ficaram mais estreitos depois que os dois se transferiram para o clube russo Zenit.

O idioma os aproximou. Witsel costuma postar fotos nas redes sociais ao lado do amigo brasileiro. Quando soube por jornalistas brasileiros que Hulk havia se machucado no treino do Brasil, o belga mandou um recado ao amigo.

"Espero que não seja não grave, ele é um craque, um grande jogador, gosto muito dele como pessoa e como jogador de futebol", afirmou o belga, que também está estudando russo. Ele dá entrevistas em francês para os outros jornalistas estrangeiros.

Dominic Ebenbichler/Reuters
Witsel é amigo de Hulk e mandou recado quando soube da lesão do atacante brasileiro

Não foi barato para o Zenit contratar a dupla. A transação, concluída há quase dois anos, movimentou 100 milhões de euros (R$ 302,8 milhões): 60 milhões (R$ 180 milhões) por Hulk e 40 milhões (R$ 121 milhões) pelo belga, valor extremamente alto para um jogador que é volante.

Witsel tem 25 anos e se destacou no Standard Liege, da Bélgica, onde foi campeão nacional duas vezes. Estreou na seleção de seu país há seis anos, aos 19, quando ainda não usava cabelo black power, uma de suas marcas.

Ele não é o capitão do time, posto ocupado por Vincent Company, do Manchester City. Mas o jeitão carismático e descontraído de Witsel não impede que ele exerça influência dentro do elenco.

Para o técnico Marc Wilmots, Witsel tem função fundamental para a equipe. "O papel dele em campo cresceu. Ele tem consciência tática, mantém a posse de bola e trabalha para o bem da equipe. Ele leva meus pensamentos para dentro do campo", afirmou o treinador ao site da Fifa.

As entrevistas de Witsel têm sido marcadas por opiniões sempre contundentes. Ele não fica em cima do muro. Após a vitória apertada em cima da Argélia (2 a 1, de virada) ele disse que alguns adversários têm receio de jogar de igual para igual contra a Bélgica. "Já tinha sido assim no amistoso em casa contra a Tunísia, é normal, temos uma qualidade ofensiva muito boa. Os adversários têm um pouco de medo."

Ele também foi direto quando questionado se ele concordava que esta é a melhor geração de jogadores que a Bélgica já teve. "Concordo com isso, temos muita qualidade na equipe e temos jogadores que jogam em grandes clubes na Europa. Mas temos que confirmar isto no Mundial."

Outro jogador belga que arrisca português é o atacante Lukaku, mas sem a desenvoltura de Witsel. "Não sou em quem ensino, acho que é o David Luiz, do Chelsea." Lukaku prefere não arriscar no idioma. "Não falo português, entendo tudo, mas falar é um pouco difícil", afirmou.

Copa 2014