1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Van Gaal despreza disputa de terceiro lugar em Brasília

Sergio Torres - O Estado de S. Paulo

09 Julho 2014 | 21h 29

Segundo treinador, time que for derrotado, no confronto entre Brasil e Holanda, sairá do Mundial com imagem errônea de perdedor

Mais mal-humorado do que nunca, o treinador da Holanda, Louis van Gaal, derrotado nos pênaltis meia-hora antes, reclamou, na entrevista oficial organizada pela Fifa, de ter que viajar para Brasília a fim de participar do jogo com o Brasil que definirá o terceiro e o quarto colocados na Copa do Mundo.

Na opinião de Van Gaal, essa partida jamais deveria ser disputada, afinal "só há uma taça em jogo". Ele disse considerar que a seleção que perder no sábado sairá com a sensação de que fez uma campanha ruim, pois terá sido derrotada duas vezes.

"Acho que esse jogo nunca deveria ser jogado. Falo isso há dez, 15 anos. O que é pior é que existe a possibilidade de perder duas vezes seguidas. Em um torneio em que fizemos partidas maravilhosas, poderemos voltar para casa como perdedores", afirmou ele.

Argentina bate Holanda nos pênaltis e está na final
Frank Augstein/AP

Nos pênaltis, a Argentina derrotou a Holanda e conseguiu a tão sonhada vaga para a final da Copa do Mundo.

Van Gaal, de 62 anos, lamentou ainda ter menos um dia de preparação para a partida em relação à seleção brasileira. Segundo ele, "é injusto" ter menos tempo de preparação "para se recuperar do que o adversário". "Isso não é fair play", sentenciou.

Van Gaal recusou-se a estender comentários a respeito da seleção brasileira, humilhada pelos 7 a 1 aplicados anteontem pela Alemanha. "Perder de 7 a 1 é como perder nos pênaltis", limitou-se a responder quando perguntado sobre o que espera da seleção brasileira no jogo de sábado.

O treinador, que deve apresentar-se até o próximo dia 20 ao seu novo clube, o Manchester United, queixou-se também do fracasso de sua seleção na cobrança de pênaltis que definiu o finalista da Copa contra a Alemanha.

"Perder nos pênaltis é terrível", afirmou ele, acrescentando que pensou em repetir a estratégia adotada contra a Costa Rica, quando, pouco antes do fim da prorrogação, trocou o goleiro titular Jasper Cillesen pelo reserva Tim Krul. Krul pegou dois pênaltis e a Holanda classificou-se para as semifinais. Cillesen, ontem, não pegou nenhum dos quatro cobrados pela Argentina.

A troca só não foi feita porque as três substituições já tinham ocorrido, revelou o técnico. Martins Indi saiu por causa do cartão amarelo no primeiro tempo. De Jong, que voltou ao time, por questões técnicas. Van Persie, porque "estava exausto", disse Van Gaal.

O treinador afirmou que o zagueiro Ron Vlaar bateu primeiro – e perdeu – porque nos treinamentos sempre se destacava. "Achei que ele seria o melhor. Chega a hora de mostrar serviço, não é tão fácil marcar. Todo mundo sabe disso", falou.

Irritado mais de uma vez com as perguntas, classificando uma delas como "humilhante", Van Gaal disse que não se interessa sobre o que dizem dele e dos times que dirige. "No futebol você tem que fazer mais um gol do que o adversário. Não conseguimos. Não criamos tantas chances. Em outros jogos, criamos. A Argentina também não criou oportunidades de gol, se é que teve alguma. Foi um jogo muito equilibrado. Jogamos uma competição excelente, mostramos um ótimo jogo. Ninguém esperava este desempenho. Ninguém esperava que passássemos para o mata-mata."

Copa 2014