Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Corinthians bate recorde de público do seu estádio e lembra 1977 na festa do título

Equipe faturou o Campeonato Paulista com empate com a Ponte Preta

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

07 Maio 2017 | 19h18

A conquista do título paulista pelo Corinthians marcou a quebra do recorde de público na arena do clube neste domingo. Foram 46.017 pagantes (total de 46.462 presentes) no seu 100º jogo no estádio. A marca superou os 44.976 pagantes da vitória diante do São Paulo por 6 a 1 pelo Campeonato Brasileiro de 2015. Neste domingo, o torcedor se sentiu como o 12º jogador a levantar a taça.

O Corinthians transformou a celebração em um momento de rememorar a conquista mítica de 1977, que encerrou um jejum de 23 anos sem conquistas estaduais e completou quatro décadas. Depois de guardar os detalhes das homenagens a sete chaves, a diretoria convidou os campeões de 40 anos atrás para que fossem protagonistas novamente.

No final da partida, os jogadores de hoje receberam camisas comemorativas - pretas, com as listras brancas, o mesmo uniforme do ano histórico - com o número 77 às costas. As camisas traziam a inscrição "Fé alvinegra", mesma expressão que havia sido utilizada em uma bandeira gigante estendida nas arquibancadas antes da partida.

Os campeões de 1977, como o lateral Wladimir e o atacante Geraldão, também participaram da volta olímpica, revivendo a conquista histórica. Foram celebrados os títulos deste domingo e aquele conquistado 40 anos atrás. O troféu de 1977 também estava no gramado e foi festejado pelos jogadores e torcedores.

"Foi um momento emocionante para o torcedor, que pôde comemorar os dois títulos", disse o lateral Fagner. "Estou emocionado. Estou revivendo grande parte da alegria daquela grande conquista", afirmou o lateral Wladimir, campeão em 1977 e um dos mais aplaudidos pela torcida.

Mais conteúdo sobre:
Corinthians futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.