Daniel Augusto Jr./ Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr./ Agência Corinthians

Corinthians confirma tradição de força na defesa

Sucessor de Tite, Carille também faz da zaga seu trunfo principal

Gonçalo Junior e Nathalia Garcia, O Estado de S.Paulo

07 Maio 2017 | 07h00

Sucessor de Tite no Corinthians, Fábio Carille também faz do sistema defensivo o seu trunfo. A partir do setor liderado por Pablo e Balbuena, o treinador iniciou a reorganização da equipe e afastou a desconfiança de todos. Com apenas 10 gols sofridos, o time é o dono da melhor defesa do Paulistão. “Nos últimos três jogos do Campeonato Paulista, fizemos seis gols e tomamos apenas um, ainda estou buscando o equilíbrio, mas o setor já está dando boa resposta”, disse Carille.

Ter a defesa menos vazada tem sido uma marca do Corinthians nos últimos anos. A consistência da dupla formada por Gil e Felipe no hexacampeonato brasileiro, em 2015, ainda está viva na memória do torcedor.

Quem chega não demora a assimilar a proposta defensiva, que já se tornou até uma filosofia. “O Corinthians tem esse histórico de boas defesas e, sem dúvida, isso ajudou na minha evolução. Os que entraram também deram conta do recado e tudo isso é reflexo da ajuda de todos em campo. No hexa, todos trabalhavam pensando no bem da equipe como um todo”, disse Felipe, que atualmente defende o Porto, de Portugal.

Gil também acredita que o coletivo é o segredo para o bom desempenho dos zagueiros corintianos. “O sucesso deles se deve à entrega de todos em campo. Uma dupla de zaga só vai bem se todos ajudarem. A qualidade deles é indiscutível e estão muito bem, mas é preciso que tudo funcione para conseguirem os resultados nos jogos.”

O paraguaio Balbuena chegou ao clube no ano passado e, aos poucos, foi ganhando espaço. Já mostrava evolução quando Pablo veio do Bordeaux, da França, nesta temporada. O rápido entendimento entre ambos e a regularidade da dupla têm dado fruto em campo. Fora dele, os dois se tornaram líderes silenciosos. Hoje, serão novamente os pilares do Corinthians. Se trabalharem bem, o 28.º título estadual está garantido. “Pablo e Balbuena são experientes. Já passaram por grandes clubes. O Balbuena chegou antes, já conhecia o Corinthians, e deve ter passado tranquilidade ao colega”, analisa o zagueiro Felipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.