Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Corinthians é denunciado por sinalizadores e pode perder mandos de campo

Clube também pode ser multado por infrações na Copa do Brasil

O Estado de S. Paulo

05 Maio 2017 | 18h11

O Corinthians foi denunciado nesta sexta-feira pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) pelo uso de sinalizadores na partida contra o Internacional, no dia 19 de abril, na Arena Corinthians, em jogo válido pela Copa do Brasil. Com risco de multa e perda de mando de campo, o clube será julgado na próxima quarta, a partir das 10h15.

Na súmula da partida, o árbitro Marcelo de Lima Henrique narrou os dois momentos em que os objetos foram acesos na torcida e enfatizou a necessidade de paralisação na partida, com a solicitação de policiamento no local.

Com base nos relatos, a Procuradoria denunciou o Corinthians por dupla infração ao artigo 213, inciso I, parágrafo 1º, por deixar de prevenir e reprimir desordens em seu estádio e justificou que foram duas infrações em momentos distintos. O artigo prevê multa de até R$ 100 mil por cada infração e, se for considerada grave, pode render perda de até 10 mandos de campo por infração.

No entendimento da Procuradoria, o Corinthians deverá responder também ao artigo 191, inciso III do CBJD por deixar de cumprir ou dificultar o cumprimento do regulamento. A pena prevista é de multa, que pode variar entre R$ 100 e R$ 100 mil.

No artigo 63 do Regulamento Geral das Competições consta que os clubes são responsáveis por qualquer conduta imprópria do seu respectivo grupo de torcedores. A conduta imprópria inclui "tumulto, desordem, invasão de campo, violência contra pessoas ou objetos, uso de laser ou artefatos incendiários, lançamento de objetos, exibição de slogans ofensivos ou com conteúdo político, ou sob qualquer forma, a utilização de palavras, gestos ou músicas ofensivas". 

Mais conteúdo sobre:
Futebol Corinthians Copa do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.