Corinthians e torcida dão vexame e River avança

Mais uma vez o Corinthians não soube ganhar do River Plate e se classificar para as quartas-de-final da Libertadores. Como em 2003, o time brasileiro foi eliminado pelos argentinos após perder tanto em Buenos Aires como em São Paulo. Só que o vexame de 2006 foi ainda pior. O Corinthians foi derrotado de virada por 3 a 1 no Pacaembu e o árbitro chileno Carlos Chandía encerrou a partida aos 37 minutos do segundo tempo, quando a torcida, revoltada, quebrou o alambrado do portão principal e entrou em conflito com a polícia. O River Plate enfrenta nas quartas-de-final o Libertad, do Paraguai. O primeiro jogo será na próxima semana, em Buenos Aires. O Corinthians começou o jogo como deveria: marcando a saída de bola do River e forçando as jogadas pelas pontas. No entanto, o excesso de passes errados e a rispidez nas divididas entregava o nervosismo, especialmente de Xavier e Marcus Vinícius. Carlitos Tevez e Nilmar, bem marcados pelo trio de zagueiros do River, não conseguiam criar perigo. Ricardinho também não dava qualidade à saída de bola. Quem se destacava era Carlos Alberto, que articulou boas tramas pela direita, mas não encontrou um companheiro com quem pudesse tabelar. A primeira boa jogada só aconteceu aos 28 minutos, quando Tevez levou a marcação da esquerda para o meio e bateu para grande defesa de Lux. O lance animou os corintianos, que marcaram logo em seguida num lance de bola parada. Aos 38 minutos, Ricardinho cobrou falta na área e Nilmar raspou de cabeça para fazer 1 a 0. Na etapa final, o River precisaria sair para tentar o empate e o Corinthians teria todo o contragolpe a seu favor. Mas um gol contra de cabeça de Coelho aos 11 minutos arruinou toda a tática e obrigou o time brasileiro a atacar. Ademar Braga trocou Xavier por Roger, abrindo mão de um volante no meio. Adiantou a equipe, mas não contava com outro presente da zaga. Betão afastou mal de cabeça, Gallardo ficou com a bola e a deu para Higuain bater cruzado no ângulo de Sílvio Luiz. Só restava ao Corinthians tentar a virada para 3 a 2 e, com isso, levar a decisão para os pênaltis. Mas o time não conseguiu criar absolutamente nenhuma chance de gol. Pior: levou o terceiro aos 36, com Higuain, após bate-rebate na área. Imediatamente, a torcida quebrou o alambrado do portão principal e entrou em conflito com a Polícia Militar. O árbitro Carlos Chandía encerrou o jogo por falta de segurança.

Agencia Estado,

04 Maio 2006 | 23h37

Mais conteúdo sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.