Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Corinthians mantém dívida e Novorizontino sugere empréstimo de Carlinhos

Time alvinegro precisa pagar mais de R$ 300 mil ao clube do interior pela contratação do atacante

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2017 | 11h00

A dívida do Corinthians pela contratação do atacante Carlinhos continua e foi parar na Justiça. O presidente do time do interior, Genilson da Rocha Santos, se mostra disposto a conversar e tentar entrar em um acordo para receber os pouco mais de R$ 300 mil que o time alvinegro deve. O dirigente sugere o empréstimo de seu ex-jogador como uma forma de amenizar o valor. 

+ Queda técnica de 'alicerces' deixa Carille em apuros no Corinthians

"Está lá, com os advogados. Se o Corinthians quiser chamar para um acordo, vamos ouvir. Ele tem potencial e se o Corinthians quiser emprestar ele para nós, será muito bem vindo, pois é um excelente jogador e, pelo que tenho visto, o Fábio Carille (técnico do Corinthians) não deve contar com ele", disse Genilson, em entrevista exclusiva para o Estado

Em 2014, o Corinthians acertou a compra de Carlinhos do Novorizontino por R$ 500 mil. O pagamento seria feito em uma parcela de R$ 100 mil e mais oito de R$ 50 mil. O time alvinegro pagou os R$ 100 mil e não quitou as parcelas. Ao ser acionado na Justiça, efetuou o pagamento de mais R$ 100 e não pagou mais.   

+ Carlinhos entra na mira de clube francês

No total, contando o valor devido e juros, o Corinthians teria que pagar R$ 336.418,90. O processo em que o Corinthians é réu tem como autores o pai do atacante, Carlos de Lima, o técnico José Antonio Domingos e duas empresas (Jr. Souza Esporte e Marketing e I-9 Sports Gestão, Consultoria e Intermediações de Negócios), todos donos dos direitos econômicos do atleta na época. A I-9 Sports Gestão era um investidor do clube, algo que deixou de ter validade em 2015, quando a Fifa proibiu a participação de empresas nos direitos dos jogadores. 

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.