Divulgação/Bordeaux
Divulgação/Bordeaux

Corinthians torce por negociação de Malcom para faturar mais

Atacante do Bordeaux está na mira do Wolfsburg, da Alemanha, mas também pode ser envolvido na negociação com Pablo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2017 | 07h00

Enquanto tenta definir a situação de Pablo, o Corinthians fica na torcida para que o Bordeaux acerte a venda do atacante Malcom para o Wolfsburg. O clube brasileiro tem 15% dos direitos econômicos do atleta, mas curiosamente, pode perder os direitos caso defina a compra do defensor.

"Estamos torcendo para a negociação dar certo. A gente tem um compromisso assumido com o Bordeaux, mas caso não vingue, a gente tem um porcentual de 15% dele", disse o diretor de futebol do Corinthians, Flávio Adauto, em entrevista ao Estado

Para contratar Pablo, o Corinthians acertou com o Bordeaux que iria pagar 1,2 milhão de euros (R$ 4,5 milhões) e ainda ceder os 15% de Malcom que estão sob o poder do clube. Entretanto, o contrato ainda não foi assinado devido a divergências entre os clubes e o empresário do defensor. 

Existiam duas negociações em aberto. A primeira, seria o Corinthians pagar o valor aos franceses e acertar a contratação de Pablo. Outra, que é a que estava em negociação, era prorrogar o empréstimo por mais seis meses e neste período, conseguiria juntar o dinheiro para dar aos franceses.

O problema, porém, é que o Bordeaux decidiu recusar um novo empréstimo e a negociação está paralisada. Sem avançar com Pablo, Malcom ainda tem 15% de seus direitos econômicos ligados ao Corinthians.

De acordo com a imprensa europeia, o Wolfsburg, da Alemanha, pode pagar 30 milhões de euros (R$ 113,5 milhões) pelo jogador. Desta quantia, o Corinthians teria direito a 15%, que dá R$ 17 milhões. 

"Não temos pressa nisso. O Pablo tem contrato conosco até dezembro. Então podemos conversar com calma", disse Adauto. Entretanto, caso a oferta alemã se confirme, Malcom iria embora antes do dia 31 de agosto e Corinthians e Bordeaux teriam que negociar como acertariam os 15% referentes ao atacante.

Mais conteúdo sobre:
Corinthians futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.