1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Cotado para treinar a seleção brasileira, Tite se cala

Almir Leite - Enviado especial a Teresópolis - O Estado de S. Paulo

10 Julho 2014 | 05h 00

Ex-técnico do Corinthians enfrenta a concorrência de Luxemburgo, Muricy Ramalho e Gallo

Treinador mais cotado para assumir a seleção no lugar de Luiz Felipe Scolari, Tite prefere não falar sobre o momento da equipe nem do futebol brasileiro de maneira geral. Por uma questão de ética. Apesar das divergências públicas entre ambos ocorridas recentemente, o ex-técnico do Corinthians alega não sentir-se à vontade para analisar ou dar opiniões sobre o trabalho que está sendo feito pelo atual comando da seleção.

Tite deixou o Corinthians no final do ano passado e, naquela altura, seu nome já circulava com força para assumir a seleção brasileira depois da Copa do Mundo. Na época, o raciocínio era de que Felipão iria dar seu trabalho como concluído depois do Mundial, deixaria o cargo vago e ele seria contratado como sucessor.

O treinador apostou nessa possibilidade, a ponto de recusar convites de clubes do Brasil e do exterior para trabalhar. Alegava, oficialmente, que, depois de anos desgastantes no comando do Corinthians, precisava passar por um "período sabático", ou seja, descansar e também fazer algum tipo de intercâmbio com treinadores de equipes internacionais.

Daniela Souza/Estadão
Desde sua saída do Corinthians, Tite não treinou nenhum outro clube

Tite de fato fez isso, mas como parte de seu objetivo principal, assumir a seleção. Tanto que pessoas próximas ao treinador dizem que ele só está esperando um telefonema do presidente da CBF, José Maria Marin, para dizer "sim".

O treinador evitou, inclusive, convite para comentar a Copa do Mundo para emissoras de TV e fazer colunas para jornais. Mesmo que fosse para trabalhar em jogos de outras seleções. Tinha consciência de que fatalmente seria instigado a opinar sobre a seleção brasileira, o que entendia não ser correto.

O nome de Tite é bem aceito por José Maria Marin e por Marco Polo del Nero. Ambos serão responsáveis pela contratação do novo treinador para a seleção, quando isso se der, mas, oficialmente, será Marin a tomar a decisão. Del Nero não quer demonstrar que está interferindo na administração do aliado. Mas tem elogiado bastante Tite.

* Colaborou Vítor Marques

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo