Crise afeta super-clássico argentino

A crise econômica pela qual passa a Argentina e a crescente violência nos estádios de futebol podem transformar a partida de domingo entre Boca x River, num dos maiores fracassos de bilheteria dos últimos anos. Considerado o maior clássico do futebol no país - a venda de ingressos até agora tem sido muito fraca e os organizadores temem prejuízos. Até a manhã desta sexta-feira, apenas 5 mil dos 20 mil bilhetes chamados de populares haviam sido vendidos. Comercializados a 10 pesos (cerca de US$ 5,00), os ingressos estão encalhados nas bilheterias dos dois estádios - Bombonera e Moñumental de Nuñez - numa situação completamente diferente da registrada em setembro do ano passado, quando as duas equipe se enfrentaram pela última vez. Naquela oportunidade, centenas de torcedores passaram a noite em frente aos estádios, esperando a abertura das bilheterias. Mas o encalhe não atinge apenas o ingresso popular. Os de cadeira coberta tiveram o preço reduzido em quase sete vezes numa tentativa dos organizadores de evitar prejuízos maiores. Hoje, o ingresso mais caro custa o equivalente a US$ 30,00. No ano passado, esse mesmo ingresso era vendido a US$ 200,00. Mesmo assim, a procura tem sido muito pequena. ?O ritmo lento nas vendas e a previsão de pouco público no clássico responde a uma lógica clara, já que hoje há mais violência e menos dinheiro?, conformou-se o presidente do River, José Aguilar. Além da crise econômica e política que assola o país, o ano de 2002 começou como o mais violento da história da Argentina. De janeiro até agora, quatro torcedores foram mortos e mais de 200 acabaram feridos em conflitos entre grupos rivais e confrontos com a polícia.

Agencia Estado,

08 Março 2002 | 11h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.