Crise salarial faz dinamarquesas desistirem de jogo das Eliminatórias do Mundial

Não é a primeira vez que partida de seleção da Dinamarca é cancelada devido à discordância

Estadão Conteúdo

18 Outubro 2017 | 10h58

Uma disputa salarial envolvendo as jogadoras da seleção da Dinamarca fez a Associação Dinamarquesa de Futebol cancelar a participação do time nacional em jogo contra a Suécia, que estava marcado para acontecer nesta sexta-feira, fora de casa, em Gotemburgo, pelas Eliminatórias do Mundial de 2019, na França.

+ Federação de futebol da Noruega anuncia pagamento igual para homens e mulheres

A entidade se pronunciou oficialmente nesta quarta-feira para revelar que já informou à Fifa sobre o problema e admitiu que "agora espera por uma decisão disciplinar", sendo que teme, inclusive, que a seleção do país seja excluída do qualificatório do Mundial.

A Associação Dinamarquesa de Futebol havia fixado esta quarta-feira pela manhã como prazo final para estabelecer um possível acordo com as jogadoras da seleção do país, mas o mesmo acabou não ocorrendo. "Muitas coisas estão nos dividindo", admitiu Kim Hallberg, porta-voz da entidade, em entrevista ao canal dinamarquês TV2.

Na Suécia, o organismo que controla o futebol do país afirmou que as jogadoras de sua seleção continuariam se preparando para a partida que estava marcada para esta sexta e disse ainda esperar que a mesma possa acontecer na data inicialmente prevista. "Essa é uma situação realmente especial, que nunca enfrentamos antes", afirmou Hakan Sjostrand, secretário-geral da Federação Sueca de Futebol.

+ Jogadoras dos EUA exigem o mesmo salário do futebol masculino

A DBU, sigla local que identifica a Associação Dinamarquesa de Futebol, ofereceu um aumento do valor do investimento anual na seleção feminina de 2 milhões de coroas dinamarquesas (cerca de R$ 1 milhão) para 4,6 milhões da moeda local (aproximadamente R$ 2,3 milhões) e usaria este dinheiro para aumentar o salário das jogadoras, entre outras coisas.

Em setembro passado, porém, a DBU já havia cancelado um amistoso que a Dinamarca faria contra a Holanda, que seria uma reedição na final do Europeu Feminino de Futebol, após fracassar na negociação salarial com as atletas da equipe nacional. Na decisão continental, as holandesas derrotaram as adversárias por 4 a 2.

Mesmo com a crise salarial envolvendo suas jogadoras, a Dinamarca havia eliminado a Alemanha, seis vezes campeã europeia, nas quartas de final da grande competição e depois conquistou vaga em sua primeira decisão após ser eliminada nas cinco semifinais anteriores que fez no torneio do Velho Continente.

Depois do cancelamento daquele amistoso com a Holanda, as jogadoras dinamarquesas e a DBU firmaram um acordo parcial que permitiu com que a seleção enfrentasse em seguida a Hungria pelas Eliminatórias do Mundial de 2019. Entretanto, as diferenças entre a entidade e a Associação das Jogadoras de Futebol da Dinamarca continuaram. E também não é possível dizer se a equipe nacional poderá jogar contra a Croácia, na próxima terça, em outra partida do qualificatório do Mundial.

A Dinamarca ocupa atualmente a 12ª posição do ranking da Fifa, que tem os Estados Unidos como líderes e o Brasil na nona colocação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.