1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Croácia se prepara para surpreender

Fernando Faro - enviado especial a Salvador - O Estado de S. Paulo

10 Junho 2014 | 07h 00

Dupla de zaga sabe que não é tão 'cara' quanto a brasileira, mas estão preparados e aptos para conter o ataque dos donos da casa

Embora diga que não se limitará a se defender contra o Brasil na estreia das equipes na quinta-feira, a Croácia sabe que provocar uma surpresa na estreia passa pela segurança de seus homens de retaguarda. Por isso, o trabalho dos zagueiros Corluka e Schildenfeld será fundamental para que a equipe some pontos na estreia e a dupla garante estar apta ao desafio.

Pelo menos no tamanho, os defensores saem na frente e mais parecem ter vindo de uma equipe de vôlei. Corluka mede 1,92, um centímetro a mais que seu companheiro no setor; o porte da dupla também torna possível dizer que apenas Hulk tem condições de brigar de igual para igual no jogo físico. Mas o estereótipo de zagueiros 'caneludos' e sem habilidade não pode se aplicar a eles, que possuem boa saída de jogo e até boa velocidade para o tamanho.

Mas, se o tamanho intimida, o mesmo não se pode dizer do currículo. Schildenfeld rodou por clubes de menor expressão até chegar ao Panathinaikos, da Grécia. Gorluka atualmente defende o Lokomotiv de Moscou e teve passagens sem brilho por Manchester City e Tottenham.

Dimitar Dilkoff/AFP Photo
Seleção croata treina em Salvador, na Praia do Forte, antes de fazer o jogo de abertura

As trajetórias dos croatas são quase insignificantes se comparadas especialmente às de Thiago Silva e David Luiz, os dois zagueiros mais caros da história (o Paris Saint-Germain pagou R$ 298 milhões para tirá-los de Milan e Chelsea, respectivamente). Para Corluka, porém, esse abismo não será visto na hora do duelo.

"Se você chegar ao jogo pessimista, as chances de as coisas darem errado crescem. Sabemos que eles são um grande time, são favoritos ao título e têm grandes jogadores e um grande técnico, mas temos nossas forças e esperamos poder fazer um bom jogo, é assim que precisamos pensar", disse. Schildenfeld concorda e endossa o companheiro. "Temos experiência de sobra, jogamos em bons clubes e já passamos por partidas decisivas e importantes."

A principal preocupação, como já havia alertado Niko Kovac, será neutralizar as jogadas pelas pontas, especialmente com Neymar. A tarefa será iniciada já com os atacantes, mas os croatas dizem se sentir seguros caso o Brasil chegue perto da grande área. "Eles podem não jogar em clubes que pareçam tão atraentes como o dos brasileiros, mas fazem um grande trabalho e têm qualidade para parar os atacantes do Brasil", disse o atacante Olic. "Temos de parar os pontas, dobrar a marcação em cima deles."

Como o treinador Niko Kovac tem fechado todos os treinos à imprensa, é impossível saber exatamente como ele armará o setor defensivo, já que o lateral Pranjic ainda é dúvida por causa do entorse no tornozelo esquerdo sofrido no jogo contra a Austrália no sábado.

Uma possibilidade é deslocar Schildenfeld para a lateral esquerda, hipótese ainda não confirmada. O que é certo é que o técnico prepara uma marcação especial para segurar os atacantes brasileiros no Itaquerão.

"Certamente estamos prestando atenção e treinando maneiras para pará-los. São alguns dos melhores do mundo", elogiou Schildenfeld, que chegou a assustar a comissão técnica após sentir dores musculares. Ele fez exercícios de recuperação física, musculação e piscina e está liberado para a partida.

Galã. Mas não é só de pontapés, trancos e divididas que vivem os zagueiros. Corluka ganhou destaque também fora de campo por seu sucesso com as mulheres e pelos conturbados relacionamentos amorosos com celebridades, que foram prato cheio especialmente para os tabloides ingleses na época que ele defendeu o Tottenham.

A queda pelas mulheres é tamanha que uma vez sua mãe chegou a escrever uma carta pedindo que ele deixasse um pouco as conquistas de lado e parasse de sair à noite por ter sonhado que ele era perseguido pelas máfias croata e sérvia.

Curiosamente, ele não só não deu bola para o apelo como divulgou a carta em sua página pessoal no Facebook, fato que acabou virando piada. Hoje, porém, garante que sua vida está mais tranquila. "Aquele foi um período diferente da minha vida, uma época de algumas decepções. Mas aquilo já passou e hoje posso dar o melhor de mim como atleta. Espero que esse esforço seja reconhecido pelo treinador", garantiu o jogador.

Copa 2014