Cruzeiro busca título inédito

Em busca de um título inédito, o Cruzeiro iniciará o Campeonato Brasileiro apostando numa nova política. Ao invés da "seleção" - com a contratação de grandes estrelas como Rincón, Alex e Edmundo - formada para a disputa da competição do ano passado, a ordem na Toca da Raposa agora é trabalhar com um grupo jovem e competitivo. Mais do que o rompimento da parceria com o fundo de investimento norte-americano Hicks, Muse, Tate & Furst (HTMF), que reduziu consideravelmente a receita do departamento de futebol do clube, o que motivou a decisão dos dirigentes foi a péssima campanha do clube no Brasileirão de 2001. Apesar da perda do título da Copa dos Campeões, que valia uma vaga na Copa Libertadores de 2003, e da saída precoce na Copa do Brasil, o saldo do primeiro semestre é considerado muito positivo pela diretoria celeste. Sob o comando do técnico Marco Aurélio, que foi mantido no cargo desde o final do ano passado, o Cruzeiro conquistou a Copa Sul Minas e o Super Campeonato Mineiro. A torcida cruzeirense, contudo, perdeu dois de seus principais ídolos: o lateral-esquerdo Sorín e o volante Ricardinho. O argentino foi vendido por US$ 9,5 milhões para a Lazio, da Itália e Ricardinho, titular absoluto do meio-campo celeste, foi emprestado para o futebol japonês. Ele irá atuar ao lado do atacante Edílson, que praticamente abandonou o clube após a Copa do Mundo, transferindo-se para o Kashiwa Reysol. As únicas contratações até agora foram o goleiro Alexandre Fávaro, ex-Ponte Preta, e o meia Danilo, que já atuou no União São João, de Araras, e estava no Monterrey, do México. A diretoria do Cruzeiro continua atrás de um meio-campista mais experiente. A esperança, porém, está nos pés de jovens revelações, como lateral Leandro - que teve a dura missão de substituir Sorín - e o atacante Joãozinho, um dos destaques do time na Copa dos Campeões. O Brasileiro é o troféu mais cobiçado pela galeria da Toca da Raposa. O Cruzeiro esteve perto de conquistar o título nacional em três oportunidades: em 1974, quando perdeu para o Vasco, um ano depois, quando foi derrotado na decisão para o Internacional-RS e em 1998, quando deixou o título escapar para o Corinthians. Time-base: Jefferson; Maicon, Luisão, Cris e Leandro; Augusto Recife, Fernando Miguel, Vander e Jorge Wagner; Fábio Júnior e Joãozinho. Técnico: Marco Aurélio.

Agencia Estado,

09 Agosto 2002 | 12h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.