Cesar Greco/Ag. Greco
Cesar Greco/Ag. Greco

Cuca minimiza derrota do Palmeiras: 'Ano passado perdemos as duas primeiras'

Técnico evita criticar time, que perdeu para o São Paulo, e se apega ao retrospecto de 2016

O Estado de S. Paulo

28 Maio 2017 | 07h00

O técnico Cuca, do Palmeiras, pediu paciência para a torcida ao avaliar a derrota do time para o São Paulo, neste sábado, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro. Além de parabenizar o rival pelo resultado, o treinador alviverde lembrou que as duas derrotas nas três primeiras rodadas da competição não devem ser encaradas como sinal de perigo, já que no ano passado, o retrospecto foi o mesmo nesse período e o clube acabou como campeão.

Em 2016 a equipe também encontrou o São Paulo pela terceira rodada e perdeu por 1 a 0 no Morumbi. Neste sábado, o placar foi de 2 a 0. "No ano passado, as duas primeiras que jogamos fora, perdemos também. Para a Ponte e aqui para o São Paulo. E na sequência recuperou bem, encontrou a equipe ideal. Quem sabe não segue o mesmo caminho esse ano", comentou o treinador.

O Palmeiras estreou com vitória por 4 a 0 sobre o Vasco e depois perdeu fora de casa para Chapecoense e São Paulo. Na próxima rodada retorna ao Allianz Parque para enfrentar o Atlético-MG, mas antes, na quarta, vai ao Rio Grande do Sul enfrentar o Inter, pelo confronto de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. Na ida, ganhou por 1 a 0.

"É ruim perder clássico, é muito ruim. Parabéns ao São Paulo, mas nossa vida segue. Temos um adversário forte de novo quarta-feira. Nossa sequência é dura, mas ao mesmo tempo é boa, porque estamos envolvidos em muitas competições. Tem de levantar e ir para a frente", afirmou o treinador, que elogiou a postura do goleiro Fernando Prass por ter admitido a falha nos gols e do lateral Jean por ter errado o pênalti.

Para Cuca, a cobrança para fora tirou do Palmeiras a chance de reagir na partida, por ter gerado um impacto psicológico adverso. "Ganhamos a penalidade, e é um lance crucial. Se você faz, ganha ânimo para vencer o jogo. Acontece o contrário, o adversário cresce. Foi o que aconteceu", lamentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.