1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Cumpri o sonho de ser parte da história argentina, diz defensor Basanta

LUIS AM - REUTERS

07 Julho 2014 | 09h 45

O defensor da seleção argentina José María Basanta disse no domingo que cumpriu seu sonho de ter feito parte da equipe nacional que, depois de 24 anos, fez história ao chegar entre os quatro melhores do Mundial, e destacou estar consciente de que ainda não conquistou nada.

Basanta, de 30 anos e da equipe do Monterrey, havia jogado as eliminatórias no empate de 1 x 1 frente à Bolívia e teve seus primeiros 15 minutos em um Mundial quando substituiu Marcos Rojo na partida contra a Suíça que garantiu a vaga para as quartas de final.

Mas o batismo entre os grandes do mundo e seu grande momento pessoal chegaram no sábado, quando foi titular com um bom desempenho na vitória de 1 x 0 sobre a Bélgica antes de avançar para as semifinais.

“A gente sempre sonha jogar essas partidas, me emocionou e estava muito tranquilo, trabalhei muito para fazer minha parte e estou feliz porque foi algo histórico para a Argentina, embora estejamos conscientes de que ainda não ganhamos nada”, disse Basanta em coletiva de imprensa na concentração argentina próxima a Belo Horizonte.

Basanta, um desconhecido na Argentina até ser chamado pelo técnico Alejandro Sabella à seleção, disse que o fato de ter sido um dos jogadores que regularmente não compõem a equipe de Lionel Messi não tem maiores consequências porque os 23 convocados ingressarão quando o treinador decidir.

“Todos temos que estar preparados para quando o grupo precisar, tanto dentro como fora do campo, da melhor maneira. O importante é a união que tem este grupo”, disse.

“Quando cheguei à seleção ninguém me conhecia e isso me fortalece para dar tudo o que tenho para meus companheiros, revertendo essa situação em todos os clubes”, destacou.

A Argentina, que sonha em dar outro passo para alcançar seu terceiro título mundial após as duas conquistas anteriores de 1978, em casa, e 1986, no México, enfrentará na quarta-feira a Holanda, em São Paulo, em uma das semifinais.

O outro jogo será entre Brasil e Alemanha, em Belo Horizonte, na terça-feira.

(Reportagem adicional de Marcelo Androetto)