De luto, United cancela coletiva pré-final; Mourinho lamenta atentado

Equipe decide o título da Liga Europa contra o Ajax em Estocolmo

Estadão Conteúdo

23 Maio 2017 | 12h02

O atentado que deixou pelo menos 22 mortos e 59 feridos na noite da última segunda-feira, logo após uma apresentação da cantora norte-americana Ariana Grande, em Manchester, na Inglaterra, motivou o Manchester United a cancelar as entrevistas coletivas desta terça que seriam prévias à final da Liga Europa, na qual a equipe irá enfrentar o Ajax nesta quarta, às 15h45 (de Brasília), na Friends Arena, em Estocolmo.

"Por causa dos trágicos acontecimentos em Manchester na noite de segunda-feira e pelo efeito que isso teve em todos aqui no clube, e dentro de nossa cidade, o clube decidiu cancelar a conferência de imprensa da noite do pré-jogo da final da Liga Europa em Estocolmo, na Suécia", afirmou o United, por meio de um comunicado publicado em seu site oficial.

Em seguida, o United disse acreditar que a rara mudança de protocolo antes de uma partida importante como esta deverá ser recebida com naturalidade, tendo em vista o fato de que o time está de luto pelas mortes ocorridas no atentado da última segunda-feira.

"Temos certeza de que, nestas circunstâncias, todos irão entender nossa posição neste assunto. Nossos pensamentos estão com as vítimas e seus familiares neste terrível momento de dificuldade", completou a curta nota que confirmou o cancelamento das entrevistas coletivas que seriam concedidas nesta terça-feira, já em Estocolmo.

 

Mourinho lamenta em nota

Pouco depois deste anúncio, o Manchester United usou o seu site oficial para divulgar um outro comunicado no qual o técnico José Mourinho lamentou a tragédia. "Nós todos estamos muito tristes pelos trágicos acontecimentos da última noite. Não podemos tirar nossas mentes e nossos corações das vítimas e suas famílias", ressaltou o treinador português.

Mourinho ainda lamentou o fato de que o atentado acabou quebrando o clima de empolgação que é comum em vésperas de partidas importantes do time. "Nós temos um trabalho a fazer e voaremos para a Suécia para fazê-lo. É uma pena que não podemos voar com a felicidade que sempre temos antes de um grande jogo", completou, antes de destacar que a tragédia deverá unir ainda mais a população da cidade inglesa.

"Eu sei, apesar do meu curto período aqui, que as pessoas de Manchester estarão juntas como se fossem uma só", encerrou o técnico por meio da nota oficial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.