1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Decreto formaliza órgão fiscalizador de clubes brasileiros

- Atualizado: 20 Janeiro 2016 | 14h 16

APFUT deve disciplinar o cumprimento das condições do Profut

A edição desta quarta-feira do Diário Oficial da União formaliza a criação da Autoridade Pública de Governança do Futebol (APFUT), órgão vinculado ao Ministério do Esporte, que terá a finalidade de fiscalizar e disciplinar o cumprimento das condições de manutenção no Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, o Profut, por parte dos clubes e entidades esportivas.

O decreto destaca que o órgão será formado por representantes dos ministérios da Fazenda, do Trabalho e Previdência Social e do Esporte, além de atletas, dirigentes de clubes, treinadores, árbitros e representantes de entidades de fomento ao desenvolvimento do futebol no País.

Presidente da APFUT será indicado por Dilma Roussef

Presidente da APFUT será indicado por Dilma Roussef

O presidente da APFUT será indicado pela presidente Dilma Roussef. Além disso, todas as representações terão um indicado, exceto o Ministério do Esporte, com direito de possuir dois nomes no órgão.

O Profut foi sancionado pela presidente em agosto de 2015 e tem a intenção de permitir aos clubes o refinanciamento das suas dívidas, que podem ser pagas em 240 parcelas mensais. Para isso, porém, eles precisam cumprir medidas de boa gestão definidas pelo governo federal, como a limitação dos gastos da sua receita, e de transparência.

O descumprimento pode provocar, inclusive, o rebaixamento de clubes. E será para averiguar se os times que aderiram ao Profut estão agindo de acordo com o estabelecido que foi criada a APFUT através desse decreto.

Ministro da Casa Civil, Jaques Wagner classificou a assinatura do decreto como um "passo decisivo" para a modernização do futebol brasileiro, em publicação no seu perfil na rede social Twitter.

"Associadas ao patrocínio da Caixa a 10 clubes, essas medidas marcam o início de uma profunda e necessária reforma do futebol brasileiro. Com uma gestão mais profissional, a qualidade do jogo irá melhorar, devolvendo aos brasileiros o orgulho de pertencer ao país do futebol", escreveu.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX