Kai Pfaffenbach / Reuters
Kai Pfaffenbach / Reuters

Defesa de direitos humanos vira pré-requisito para países sediarem Eurocopa

Mudanças passam a valer a partir da edição de 2024 do torneio

Estadão Conteúdo

02 Maio 2017 | 12h50

A Uefa anunciou uma mudança significativa no processo de escolha do país-sede da Eurocopa, sua principal competição entre seleções. Agora, nações que queiram se candidatar vão precisar se comprometer com o respeito e a defesa de direitos humanos.

A mudança passa a valer a partir da edição de 2024, que ainda não tem sede definida. Turquia e Alemanha já declararam interesse em sediar o evento e têm até o dia 27 de abril de 2018 para apresentar a candidatura oficial. É nesta etapa que os países deverão apresentar todo o planejamento relacionado à realização do evento.

A inclusão da defesa dos direitos humanos como pré-requisito às candidaturas se baseia em convenções das Nações Unidas, em especial o relatório "Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos". Também passam a ser exigidas pela Uefa que os países apresentem estratégias de combate a possíveis casos de corrupção na organização do evento.

"A proteção dos direitos humanos e dos direitos dos trabalhadores é uma das coisas mais importantes para a Uefa", informa o presidente da entidade, Aleksander Ceferin, em nota. "A partir de agora, nações candidatas a sede deverão aderir completamente a artigos (relacionados a esse tema) no planejamento da organização de todos os nossos torneios".

A obrigação de respeito aos direitos humanos pelo país-sede da Eurocopa se dá em um contexto de questionamento ao suposto desrespeito desses valores por Rússia e, principalmente, Catar, nações que vão organizar as duas próximas edições da Copa do Mundo, com violações aos direitos dos trabalhadores nas obras dos estádios.

A próxima edição da Eurocopa, em 2020, não terá uma sede fixa. O torneio será disputado em 13 estádios espalhados por diferentes países do continente europeu. A decisão e as semifinais serão disputadas no Estádio de Wembley, em Londres.

Mais conteúdo sobre:
Futebol Uefa Eurocopa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.