Cesar Greco / Agência Palmeiras
Cesar Greco / Agência Palmeiras

Demitido, Baptista agradece ao Palmeiras por 'ótima convivência' e exalta torcida

Ex-técnico evitou fazer críticas à diretoria do clube

Estadão Conteudo

05 Maio 2017 | 10h26

Depois de ter a sua demissão anunciada pelo Palmeiras no final da noite desta quinta-feira, o técnico Eduardo Baptista se pronunciou oficialmente, no início da manhã desta sexta, para comentar a decisão tomada pelo clube. O comandante acabou não resistindo no cargo depois de o time ser derrotado pelo Jorge Wilstermann por 3 a 2, na última quarta, na Bolívia, pela Copa Libertadores.

Ao falar sobre a sua saída, o treinador evitou criticar a diretoria do clube e distribuiu agradecimentos pela oportunidade que recebeu de dirigir a equipe palmeirense, mesmo que tenha sido por um período curto.

"Quero agradecer aos profissionais da Sociedade Esportiva Palmeiras por esses quase cinco meses de ótima convivência. Todos muito empenhados no trabalho e dedicados, cada qual dentro de sua função, no melhor pela instituição. Agradeço à direção da SE Palmeiras pela oportunidade e parabenizo pela excelente estrutura do departamento de futebol", afirmou o agora ex-comandante alviverde, por meio de comunicado divulgado por sua assessoria.

Demitido depois de contabilizar 14 vitórias, quatro empates e cinco derrotas, Eduardo Baptista agradeceu até mesmo aos torcedores palmeirenses, embora tenha sido alvo de muitas críticas por parte dos seguidores do clube e ficado bem distante de conseguir a popularidade que poderia lhe dar maior sustentação para seguir no cargo.

"Agradeço à toda torcida palmeirense, que sempre incentivou e apoiou o time incondicionalmente. Aos setoristas do clube meu muito obrigado pela relação de respeito e convívio de alto nível. Desejo a todos muito sucesso", encerrou o técnico em seu curto comunicado.

A permanência de Eduardo Baptista no Palmeiras começou a ficar complicada depois da surpreendente eliminação diante da Ponte Preta nas semifinais do Paulistão, no qual o time chegou a ser derrotado por 3 a 0 no duelo de ida, em Campinas, antes de ser eliminado da competição com uma vitória por 1 a 0 no confronto de volta.

O treinador ainda exibiu destempero emocional ao fazer um forte desabafo após a vitória por 3 a 2 sobre o Peñarol, pela Libertadores, em Montevidéu, no dia 26 de abril, no Uruguai, onde chegou a dar um soco na mesa e gritos ao criticar informações publicadas na imprensa sobre o seu comando do elenco e a relação com o diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos. Nas redes sociais, as declarações exaltadas do comandante ganharam elogios, mas ele esteve longe de ser uma unanimidade dentro do clube e também entre os torcedores.

Mais conteúdo sobre:
futebol Palmeiras Eduardo Baptista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.