1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Dependência de Suárez é risco para seleção do Uruguai

REUTERS

20 Junho 2014 | 15h 01

A imagem de um extasiado Luis Suárez comemorando seu segundo gol contra a Inglaterra de joelhos, mãos para o alto e olhando para o céu deu à vitória de 2 x 1 do Uruguai sobre os ingleses uma aura de milagre.

Mas mesmo se a espetacular volta de Suárez aos gramados depois de passar por uma cirurgia no joelho mês passado manteve o Uruguai vivo na Copa do Mundo, ela também expôs a perigosa dependência que a equipe sul-americana tem do atacante.

Com seu estilo matador ainda intacto, o jogador do Liverpool de 27 anos aproveitou as duas chances que teve para atormentar a defesa inglesa na Arena Corinthians, em São Paulo.

No entanto, ele estiva compreensivamente mais lento e uma cãibra na perna o obrigou a deixar o gramado em uma maca para ser substituído.

"Nosso time realmente gira em torno dele", disse o capitão uruguaio Diego Lugano, ausente da partida de quinta-feira por casa de uma lesão no joelho, ao site da Fifa depois da partida.

"Adoraríamos ter outros 10 jogadores na equipe com a habilidade dele... Mas temos uns poucos caras que podem fazer a diferença, como ele faz com seu brilhantismo."

Lugano talvez estivesse sendo muito humilde. Mas é verdade que sem Suárez o Uruguai sofreu uma humilhante derrota por 3 x 1 contra a Costa Rica em sua estreia no Mundial, levando muitos a pensar se a equipe que chegou às semifinais na África do Sul há quatro anos está muito velha agora.

Enfatizando o quão longe Suárez pode ir pela equipe, o técnico do Uruguai, Oscar Tabárez, disse a jornalistas que quando o atacante marcou o segundo gol, ele já sofria com cãibras há 20 minutos.

"Estou muito confiante com o que Luis Suárez pode fazer na última parte do campo", disse o treinador.

E é por isso que certamente Suárez será titular na partida contra a Itália, atual líder do Grupo D, na terça-feira, em Natal, uma partida que Tábarez classificou de "um duro teste".

"Precisamos ter a mesma atitude, um grade comprometimento físico e muita intensidade", disse o treinador uruguaio.

Para fazer isso, o Uruguai pode também repetir algumas das outras quatro mudanças que Tábarez fez contra a Inglaterra, substituindo Lugando pelo defensor de 19 anos José María Giménez e colocando mais energia no meio-campo com as entradas de Alvaro González e Nicolás Lodeiro.

"Grande vitória para continuar sonhando", escreveu o atacante Edinson Cavani em sua conra no Twitter. "Este grupo nunca desiste."