Érico Leonan/São Paulo
Érico Leonan/São Paulo

Desconhecido e barato, Marcinho começa a crescer no São Paulo

Jogador que veio do São Bernardo depois do Paulista para ser testado, se destaca rapidamente e pode ser contratado

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2017 | 07h02

Marcinho sabe que está aproveitando a grande chance de sua vida no São Paulo e espera continuar correspondendo, apesar de ainda não ter se tornado famoso como muitos de seus companheiros de clube. “Na rua ninguém me reconhece ainda, mas minha família está feliz, meus amigos também, muita gente me pedindo camisa, mas já falei que não tenho esse tanto de camisa aí”, brinca.

Ele chegou por empréstimo depois do Campeonato Paulista, vindo do São Bernardo, e fica no tricolor até o final do ano. Caso agrade, o São Paulo terá de desembolsar R$ 1,5 milhão para contratá-lo em definitivo. Em tom bem humorado, ele fala que não é muito caro. “Para o São Paulo não é. O passe está fixado em R$ 1,5 milhão, então tenho de me firmar para ver onde as coisas vão dar”, disse.

O atacante chegou ao novo clube junto com Morato, que veio do Ituano e foi o primeiro a ganhar uma chance do técnico Rogério Ceni. Mas uma fatalidade fez com que Morato tivesse de ser submetido a uma cirurgia no joelho que o tirou dos gramados em 2017. Como também está emprestado ao São Paulo, a diretoria tricolor já está avaliando seu caso, assim como o de Marcinho.

“Pode ser que a gente prorrogue o contrato ou adquira em definitivo, como era a previsão. Fizemos um contrato de empréstimo para fazer a avaliação do Morato e do Marcinho, para ver se a camisa não iria pesar demais, e já vimos que não pesou”, explicou Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, presidente do clube. Ele reiterou ainda que mesmo com poucos jogos no currículo já deu para ver a qualidade de ambos.

Se Morato fez apenas uma partida, Marcinho já chegou a três jogos pelo São Paulo. Ele estreou na derrota para o Cruzeiro, mas foi bem, depois brilhou contra o Avaí e foi melhor ainda diante do Palmeiras, quando ganhou a chance como titular na equipe e mostrou versatilidade ao atuar até como ala e dar assistência para o gol de Pratto, o primeiro do jogo.

“Eu fiz a mesma coisa que o jogo passado contra o Avaí: acompanhei o lateral também. Tem horas que às vezes tem de fechar um pouquinho ali atrás. Para mim não mudou tanta coisa, tenho de voltar para marcar o lateral e sair para o jogo, como fiz nas outras partidas”, explicou o jogador. “Pude dar um passe para o Pratto, mais um, e fico feliz pelo passe e ainda mais pelo resultado.”

Aos 21 anos, Marcinho festeja o fato de poder mostrar seu futebol em uma grande equipe. “Como sempre falo, quando a oportunidade aparece, tem de agarrar. Contra o Palmeiras, atuei numa posição diferente e preciso aproveitar da melhor maneira. Tenho até o final do ano para me firmar no São Paulo, pois estou emprestado e quero ficar”, afirmou Marcinho.

Mesmo em dificuldades financeiras, o São Paulo sabe que a contratação de Marcinho pode ser um bom negócio porque ele ainda é bem jovem e tem muito a evoluir. Como o preço estipulado não é tão caro, é possível que o negócio aconteça e o atleta consiga ficar por mais tempo no Morumbi.

“Quando eu vim para cá o objetivo era esse, de ser contratado. Se continuar jogando bem, vai que o São Paulo possa antecipar essa compra antes do fim do ano. Tenho de aproveitar cada dia dentro do clube e as chances para mostrar o que eu posso fazer. Espero que eles me comprem”, concluiu o atleta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.