Dida e Vampeta jogam de olho na Copa

O sonho de disputar a Copa do Mundo da Coréia do Sul e Japão pode estimular ainda mais dois jogadores do Corinthians na partida contra o Botafogo, neste domingo, às 16 horas, no Morumbi: o goleiro Dida e o volante Vampeta. Fora da lista do técnico Luiz Felipe Scolari para o amistoso da seleção contra a Iugoslávia, quarta-feira, em Fortaleza, os dois admitem que precisarão evoluir no clube para recuperar os lugares no seleto grupo de Felipão. "É preciso fazer uma avaliação do trabalho, melhorar a cada jogo para voltar à seleção", disse Vampeta, ao ressaltar que o futuro do time no Torneio Rio-São Paulo será fundamental para sua valorização profissional. Dida pensa da mesma forma. Ele não se mostrou decepcionado por não ter sido convocado. Embora afirme que Scolari conheça suas qualidades, o goleiro também disse que a volta à seleção vai depender do que ocorrer com o Corinthians nos próximos jogos. O técnico Carlos Alberto Parreira queria contar com jogadores na seleção. "O atleta sente-se mais importante, valorizado e mexe também com o adversário", analisou o treinador corintiano. Pelas suas contas, se o Corinthians vencer o Botafogo ficará a um passo da classificação para as semifinais do Torneio Rio-São Paulo. O treinador espera outro jogo difícil pela frente e elogiou o time carioca. "Além de Dodô, que está em uma excelente fase, eles tem dois alas eficientes, uma marcação muito boa com três zagueiros e um meio-de-campo criativo. Mas vamos fazer nosso esquema. Não mudaremos nossa maneira de jogar em função do adversário", disse Parreira. No treino de sexta-feira, o treinador adotou um esquema de marcação por pressão para não dar chance para o Botafogo impor seu ritmo de jogo. Mas Parreira disse que será impossível fazer esse esquema durante todo o jogo. "O ideal é tentar o equilíbrio com pegada forte, saída rápida para o ataque com toque de bola", explicou o treinador, que conta com o entrosamento da dupla de zagueiros Fábio Luciano e Scheidt para anular o artilheiro Dodô. "Contra São Caetano, os dois tiveram uma grande atuação, principalmente nas jogadas pelo alto. Não perderam uma disputa."

Agencia Estado,

23 Março 2002 | 15h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.