Sérgio Castro/ Estadão
Sérgio Castro/ Estadão

Diretoria do São Paulo rejeita ceder a pressão por Diego Lugano

Uruguaio tem contrato só até 30 de junho, dirigente fala em renovação, mas avisa que não precisa antecipar conversa

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2017 | 10h00

Com contrato até dia 30 de junho, o zagueiro Lugano, um dos ídolos do São Paulo, tem sido pouco aproveitado na temporada. Ele disputou sete jogos no ano, não perdeu nenhum, mas vem sendo preterido na equipe por Maicon e Rodrigo Caio, os titulares da zaga, e às vezes Lucão, que ganhou a confiança do técnico Rogério Ceni e deve ser titular hoje no Morumbi.

Da sua parte, Lugano diz estar em ótima forma física. Só para se ter uma ideia, boa parte do elenco sofreu com lesões recentes, mas Lugano manteve-se inteiro. “Faz um ano que estou todos os dias no treino, com intensidade, sem problemas físicos ou lesões. Obviamente que estou preparado para participar de jogos consecutivos quando o treinador entender que seja necessário”, disse recentemente.

Por essa declaração, ele nega que aos 36 anos não tenha mais pique para vestir a camisa do São Paulo em alto rendimento. Na temporada, apenas ele e Lucão não tiveram falhas significativas nas partidas – os outros quatro defensores (Rodrigo Caio, Maicon, Breno e Douglas) cometeram alguns erros e sofreram críticas.

É nesse panorama que o São Paulo está avaliando se vale a pena renovar com o xerifão uruguaio. Vinicius Pinotti, o novo executivo de futebol, já avisou que tem interesse na renovação de contrato com o ídolo, mas ainda pretende sentar com o uruguaio e o técnico Rogério Ceni para definir a situação.

“Temos interesse em renovar, mas isso será tratado internamente. Tem até junho ainda, acho que o pessoal está antecipando muito a conversa. Não tenho informação nova para dar”, afirmou o dirigente.

Muitos torcedores fazem campanha nas redes sociais pedindo para a diretoria renovar com o atleta. O apelo aumentou após o São Paulo procurar diversos jogadores, antes da eleição para presidente do clube, para prorrogar seus vínculos, menos Lugano. No dia a dia, ele vem treinando com seriedade e já manifestou o desejo de não parar de jogar este ano. “Não vou forçar nada”, chegou a falar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.