Site oficial / Flamengo
Site oficial / Flamengo

Dirigente do Flamengo defende planejamento da equipe e jogadores criticados pela torcida

Entrevista de Mozer não repercutiu bem junto aos torcedores nas redes sociais

Estadão Conteúdo

31 Outubro 2017 | 12h50

Mozer fez parte do maior time do Flamengo na história, e desde 2016, também participa da diretoria do clube. O ex-jogador concedeu entrevista ao portal UOL sobre a temporada 2017 do clube, que apesar considerada decepcionante pela torcida, foi defendida na fala do dirigente.

+ Flamengo supera o Fluminense e abre vantagem nas quartas da Copa Sul-Americana

+ Recuperado de tumor no testículo, Ederson volta a treinar no Flamengo

"Conquistamos um título", declarou Mozer, referindo-se ao Campeonato Carioca. "Todo título tem expressão. Se você não ganha um Campeonato Carioca, o Flamengo vira um inferno. Você tem dúvida disso? Já ganhamos um título, é bom que todo mundo saiba. Temos a possibilidade de ganhar a Copa Sul-Americana e faremos todo o esforço para isso. Pedimos que a torcida esteja conosco e nos ajude a conquistar mais um título de expressão, como assim você disse. Valorizamos todas as conquistas no meio do futebol. Nenhum título é fácil.  Se tivéssemos conquistado a Copa do Brasil, o discurso seria completamente diferente", respondeu, ao ser questionado sobre a importância da taça conquistada e relembrando também as outras finais alcançadas pela equipe.

Ao ser questionado sobre o porquê do time ter dificuldade em conquistar títulos "maiores" mesmo com todo o investimento, o ídolo rubro-negro  relembrou a equipe que fez parte. " Aponto para 1981. Foi um time mágico, não é? Mas demorou alguns anos para ganhar. A equipe começou a ser formada em 1975. Foram seis anos. A direção do Bandeira tem menos tempo do que isso e trouxe a credibilidade de volta ao  ao clube. Estávamos na penumbra. O futebol foi atacado na sequência. Temos dois anos do projeto novo. Ah, mas quantos anos para ganhar? Não sei. O caminho é para nos aproximar do êxito. Já estamos frequentando finais e próximos de de outras decisões", afirmou.

O dirigente fez ainda uma defesa firme dos atletas mais criticados pela torcida, como Márcio Araújo e Gabriel. " A desvalorização de alguns jogadores acontece por excessivo desconhecimento das funções que exercem em campo. Gostaríamos de utilizá-los ainda mais, mas somos impedidos por conta do trabalho negativo que fizeram contra o jogador A, B ou C. Isso cria um grande problema com a torcida quando os encontra em campo. Temos um jogador com uma capacidade enorme e os torcedores não compreendem. É o Márcio Araújo.  O Gabriel também é um grande jogador, inteligentíssimo e dotado de uma capacidade técnica tremenda. Também temos dificuldades de colocá-lo para jogar. A torcida não gosta. Ele foi rotulado de não estar qualificado para atuar no Flamengo. A nossa opinião é outra" disse, pedindo o apoio dos torcedores aos jogadores.

Mozer negou ainda que o Flamengo tenha a intenção de fazer uma "barca" de atletas para mandar embora ao final de 2017, mas disse que a diretoria, junto com o técnico Reinaldo Rueda, irá avaliar quais são os atletas que se encaixam nos planos técnico e tático da equipe.  A entrevista foi muito criticada por torcedores rubro-negros nas redes sociais.

Mais conteúdo sobre:
Flamengo Mozer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.