1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dirigentes de Grêmio e Inter trocam farpas após empate sem gols

- Atualizado: 07 Março 2016 | 11h 44

Entrada dura do William em Bolaños motiva polêmica

O clima tenso que marcou o Gre-Nal deste domingo não se restringiu as quatro linhas do gramado. Ao fim do empate sem gols, na Arena Grêmio, dirigentes dos dois times trocaram farpas em suas entrevistas à imprensa. Os motivos foram os lances violentos nos dois lados do campo, principalmente a entrada dura do colorado William no gremista Bolaños, que deixou o campo com duas fraturas no maxilar.

A declaração mais polêmica ao fim do jogo veio do vide de futebol do Inter, Carlos Pellegrini. Na sua avaliação, não houve excesso de William na falta sobre o atacante equatoriano. "O lance do William faz parte do jogo, não teve a intenção de lesionar. Já, ao contrário, o lance do Maicon com o Dourado, tinha que sair direito para a delegacia. Entrou visivelmente para quebrar a perna", comparou.

Lances violentos nos dois lados do campo marcam Gre-Nal
Lances violentos nos dois lados do campo marcam Gre-Nal

O comentário do dirigente colorado esquentou o clima nos vestiários. O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, precisou ser contido por outros dirigentes gremistas para não ir tirar satisfações no vestiário do rival. Diretor-executivo de futebol do Grêmio, Rui Costa, também mostrou irritação diante da imprensa.

"A gente esperava uma atitude mais respeitosa do Inter. Mas aí chegou até a gente que eles teriam dito que quem deveria ir para a delegacia era o Maicon. Aí não dá. A gente esperava um gesto de grandeza, aí é brincadeira! Ter que ouvir uma coisa dessas, quando o Bolaños está irreconhecível. Tivemos que conter o presidente. Em que medida é razoável pedir uma coisa dessas?", afirmou Costa.

O dirigente gremista fez as declarações antes de o presidente do Inter, Vitorio Piffero, aumentar a polêmica ao afirmar que Bolaños tentou cavar um pênalti, apesar do lance ter sido próximo à bandeira de escanteio.

"Na minha avaliação, ele tentou cavar um pênalti. Ele se atirou para ver o que acontecia. Não foi pênalti, não foi falta, não foi nada. Não houve maldade nenhuma. Lamentamos, se confirmar a lesão mais séria, mas é do jogo. Ele mesmo correu um risco desnecessário ao se jogar como se jogou", afirmou o presidente colorado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX