Jack Guez / AFP
Jack Guez / AFP

Dispensado da Fifa, promotor diz que sua saída atrasa investigações de corrupção

Segundo Cornel Borbely, substitutos precisarão de tempo para conhecer infraestrutura da entidade

Estadao Conteudo

10 Maio 2017 | 10h34

A Fifa tem centenas de casos de irregularidades no mundo do futebol abertos e sob investigação nesse momento, quando a organização definiu a saída das lideranças dos órgãos voltados a investigações de casos de quebra de ética, de acordo com informações do procurador demitido na última terça-feira, Cornel Borbely.

O suíço declarou que o processo de levar dirigentes corruptos para a Justiça vai demorar mais porque os novos responsáveis pelo Comitê de Ética da Fifa terão que adquirir conhecimento para compreender a infraestrutura global da entidade.

"Investigamos várias centenas de casos e várias centenas ainda estão pendentes e em curso neste momento", disse Borbely, em Manama, no Bahrein, onde a Fifa realiza seu congresso anual. "Imagine onde a Fifa estaria hoje sem um comitê de ética".

Borbely e o juiz alemão Hans-Joachim Eckert não foram nomeados para serem mantidos na entidade pelo Conselho da Fifa, liderado pelo presidente Gianni Infantino. Ele disse que sua "destituição era desnecessária e portanto política" e a definiu como um "retrocesso para a luta contra a corrupção".

Eckert e Borbely trabalhavam na no Comitê de Ética desde que o órgão foi remodelado em 2012 para ter mais independência, e puniu vários dirigentes durante a maior crise de corrupção da história da Fifa, incluindo o ex-presidente Joseph Blatter.

A Fifa disse que seu conselho governante propôs o juiz grego Vassilios Skouris e a advogada colombiana Maria Claudia Rojas para os cargos. As nomeações serão votadas pelo congresso da entidade nesta quinta-feira. Borbely declarou que não há "período de transição" para a nova equipe em relação aos casos em andamento.

"Eles não têm a experiência de ter começado no princípio", disse Borbely. "Você tem que desenvolver esta prática, este conhecimento. É uma questão de quanto tempo levará a nova câmara para investigar esses casos ao nível que tenha êxito".

Mais conteúdo sobre:
futebol Fifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.