Daniel Augusto Jr./Divulgação
Daniel Augusto Jr./Divulgação

Dívida obriga Corinthians a fazer corte nos gastos

Clube deve R$ 330 milhões e vai ser duro nas renovações

O Estado de S. Paulo

20 Março 2015 | 07h00

É difícil. Mas o Corinthians espera que Guerrero entenda a complicada situação financeira por que o clube passa e aceite renovar contrato por valores mais realistas. Uma conversa dos dirigentes com o procurador do peruano, Bruno Paiva, ocorrerá nos próximos dias e um dos argumentos a ser utilizado é que o clube está "cortando na carne'' para poder honrar seus compromissos.

Recentemente, o presidente Roberto de Andrade reuniu-se com diretores de várias áreas e definiu cortes em todas elas. O "sacrifício''’ será em torno de 10% em cada um e o clube, inclusive, deve dispensar cerca de 100 funcionários.

O orçamento do Corinthians para este ano é de R$ 117 milhões e entre os conselheiros há quem não acredite que, com o quadro atual, ele seja cumprido. Isso porque a dívida do clube é de R$ 313 milhões. Essa conta não inclui o R$ 1 bilhão devido pela construção da arena de Itaquera. A partir de julho, o clube terá de pagar R$ 5 milhões mensais referentes ao empréstimo feito pelo BNDES para que o estádio fosse erguido.

É essa realidade que será apresentada a Guerreiro. Quando negociava com a diretoria anterior, o artilheiro, cujo contrato termina em 15 de julho, estava pedindo US$ 7 milhões de luvas e R$ 500 mil mensais para renovar. Com a explosão do dólar, o valor pedido como luvas representaria atualmente um gasto de cerca de R$ 23 milhões.

"É totalmente fora da realidade. O Corinthians está com o caixa baixo, vai cortar despesas e gastar o que pode gastar'', disse um conselheiro ligado ao presidente Roberto de Andrade. "E não é só o Guerrero. Tem outros jogadores. O Sheik, por exemplo. É preciso negociar melhor a renovação dos contratos.''

DOIS TIMES

Nesta sexta-feira, Tite começa a definir a equipe para a partida de domingo em Capivari, contra o Capivariano, a primeira das quatro que o Corinthians vai disputar num período de oito dias - depois, terá a Portuguesa na terça-feira; o Penapolense, na quinta (ambas na arena); e o Bragantino, no domingo 29, em Bragança Paulista. Por causa disso, e para evitar o desgaste do elenco, o treinador pretende montar dois times diferentes, com cada um jogando duas partidas.

Tite já poderá contar com o volante Bruno Henrique, recuperado da luxação no cotovelo esquerdo, sofrida no jogo com o Ituano, pelo Paulistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.