Doni quer selar a paz com Fabiano

No que depender da vontade do goleiro corintiano, o reencontro de Doni com Fabiano, domingo, na Vila Belmiro, será absolutamente cordial. Se houver uma chance e a vontade for recíproca, ele aceitará até estender a mão ao jogador do Santos, colocando de vez um ponto final na briga que tiveram no jogo do primeiro turno do Brasileiro, no Morumbi. "Claro que não depende só de mim. Mas se houver uma chance, falo com ele numa boa. Até cumprimento, se for o caso", afirmou Doni. Por causa daquela briga, o feriado daquele 9 de julho terminou no 34º DP, na Vila Sônia. Pelo que soube por intermédio de alguns amigos do Santos, Doni acredita que o caso não dará em nada. "Converso sempre com o Júlio Sérgio, meu amigo desde os tempos de Botafogo (de Ribeirão Preto). Ele nunca me disse nada. Além disso, acho que o Fabiano deve estar mais preocupado em ajudar o Santos a vencer. Eu também penso assim. Acho que aquilo não foi bom para ninguém. Eu mesmo fui suspenso por 40 dias e aprendi. Não faria de novo." Por causa daquela briga, Doni perdeu a posição. E só voltou ao time, domingo passado, porque Rubinho se machucou.

Agencia Estado,

31 Outubro 2003 | 20h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.