Nelson Perez/Divulgação FFC
Nelson Perez/Divulgação FFC

Drubscky é apresentado sob tensão e pede calma à torcida do Fluminense

Técnico estreia nesta quinta, contra a Cabofriense, no Maracanã

SÍLVIO BARSETTI, O Estado de S. Paulo

24 Março 2015 | 19h17

O novo técnico do Fluminense, Ricardo Drubscky, de 55 anos, deu sua primeira entrevista, sob pressão, na tarde desta terça-feira, em Laranjeiras. Pouco antes, um grupo de sete torcedores invadiu a sala do vice-presidente de futebol, Mário Bittencourt, a fim de protestar pela escolha de Drubscky. O dirigente disse que o ato foi premeditado e teria conotações políticas.

Drubscky, constrangido, pediu paciência aos torcedores quatro vezes na entrevista. "Lamento muito o que ocorreu. Peço um pouco de calma, de tranquilidade ao torcedor. Que eles esperem para ver se a bola vai entrar, se o time vai jogar bem. Que façam essa reflexão."

Ele se escudou em dificuldades passadas por outros técnicos para insistir no pedido de paciência. "Temos vários exemplos de grandes treinadores, não vou citar nomes, que não conseguem resultados em grandes, médios e até em pequenos times. E de treinadores em ascensão que conseguem."

Para Drubscky, que tem passagens pelo Atlético-MG, Atlético-PR, Criciúma, Joinville, Goiás e Vitória, entre outros, o técnico de futebol no Brasil tem muito pouco tempo para começar a mostrar trabalho. Comparou essa situação com a de um corpo de balé. "Melhores bailarinos do mundo precisam de seis, oito, dez meses para afinar uma coreografia. Nós temos 15 dias."

Ele elogiou Cristóvão Borges, a quem substitui. Disse que o trabalho do antecessor era "bom" e que a base do time será mantida. Citou Fred e Walter como os dois grandes jogadores da equipe.

"Vamos conseguir driblar as dificuldades com a busca da qualidade de jogo e com os resultados. Não vou fazer diferente do que os grandes técnicos brasileiros fizeram. Vou tentar vencer com qualidade no trabalho. Não sou menino. O ar que se respira aqui é muito interessante", declarou.

Drubscky também ressaltou seu apreço por um futebol irreverente e alegre. "Pretendo que seja uma equipe equilibrada, que saiba atacar e defender. Um time lúdico. Há uma pressão no Brasil para as equipes serem ofensivas. Quero equilíbrio, mas não abro mão da ofensividade, de buscar vitórias dentro e fora da casa."

O treinador afirmou que a prioridade do Flu agora é vencer os quatro jogos restantes da fase de classificação do Campeonato Carioca, para tentar levar a equipe à semifinal. Ao ser confrontado com a dificuldade de se pronunciar seu sobrenome, Drubscky demonstrou bom humor e deixou clara qual sua expectativa no Fluminense.

"O torcedor do Flu tem que me ajudar a virar um treinador conhecido nacional e internacionalmente e aí todo mundo vai saber pronunciar meu nome corretamente." Ele estreia no comando do Tricolor nesta quinta-feira, contra a Cabofriense, às 19h30, no Maracanã.

Mais conteúdo sobre:
futebol Fluminense Campeonato Carioca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.