Elenco da Juventus reforça discurso de confiança e calma para bater o Real Madrid

Dybala ressaltou a importância de manter a atenção durante toda a partida

Estadão Conteúdo

30 Maio 2017 | 08h06

Confiança e tranquilidade foram os termos mais ouvidos de jogadores da Juventus, nesta segunda-feira, no chamado "Media Day", um dia reservado para as entrevistas coletivas relativas à final da Liga dos Campeões da Europa, marcada para este sábado, às 15h45 (de Brasília), em Cardiff, no País de Gales. As entrevistas foram concedidas após o treinamento do grupo no Juventus Stadium, em Turim.

O atacante argentino Gonzalo Higuaín demonstrou o que sente com a proximidade de enfrentar o seu ex-clube, após ter passado tanto tempo defendendo as cores do Real Madrid entre os anos de 2006 a 2013, antes de se transferir para o futebol italiano (primeiro para o Napoli).

"Será uma partida particular, até porque joguei tantos anos no Madrid. Mas estou muito convicto do quanto quero vencer com a Juventus. Minha impressão é de um duelo duro, sólido. O Real é uma grande equipe, mas nos conquistamos respeito no mundo todo. Merecemos vencer mais do que todos depois de uma Champions extraordinária. Seria bom fazer um gol de qualquer modo, mas basta vencer", projetou Higuaín.

O compatriota dele, Paulo Dybala, de 23 anos, tratado pelo clube como uma joia - e que recentemente teve o contrato renovado até 2022 -, procurou enfatizar o fator psicológico, a manutenção da tranquilidade, como ponto fundamental para conquistar o título.

"Faltam cinco dias, tivemos tempo para trabalhar com tranquilidade, nos preparar bem. Não devemos ficar nervosos e desatentos, mas jogar como uma partida de campeonato. Fisicamente estamos em grande forma, todos queriam jogar. Estamos falando e queremos trabalhar da melhor forma para dar uma alegria a todo o povo juventino", frisou o jovem atacante.

O experiente goleiro Gianluigi Buffon, de 40 anos, que recentemente ultrapassou a marca de 1.000 jogos na carreira, valorizou a chance de realizar um sonho. O arqueiro, com mais de 20 anos de carreira, ainda não tem na sua galeria pessoal de troféus uma Liga dos Campeões. Em 1995, data da última conquista da Juventus, Buffon chegava ao Parma, clube que atuou até 2001, quando se transferiu para o clube de Turim.

"É bonito ter a oportunidade de realizar este grande sonho. Não é uma questão de percentuais. Somos duas grandes equipes que manifestaram grandes valores. Tivemos uma grande crença também há dois anos (na final da Liga contra o Barcelona) e a temos também hoje. Isto me basta", decretou o goleiro.

Já o lateral-esquerdo brasileiro Alex Sandro, que passou por Atlético Paranaense, Santos e Porto antes de chegar ao clube italiano, em 2015, priorizou a concentração para que o time alvinegro de Turim se mantenha firme e possa superar o adversário. "Devemos chegar concentrados e fazer aquilo que fizemos até agora: jogar forte e para vencer. Temos jogadores experientes, habituados a disputar finais e somos preparados. Permanecerei tranquilo e devo chegar pronto (ao jogo)", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.