Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Em busca de reforços, Corinthians promete pagar dívidas parcialmente

Débito referente ao atacante Kazim, com o Coritiba, será quitado a partir desta sexta

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

18 Maio 2017 | 18h48

Enquanto vai ao mercado em busca de reforços, o Corinthians também lida com processos por conta da falta de pagamento na compra de alguns jogadores. Durante a apresentação do atacante Clayson, nesta quinta-feira, no CT Joaquim Grava, o diretor de futebol Flávio Adauto garantiu que parte das dívidas será quitada já nesta sexta-feira, entre elas a que se refere ao atacante Kazim, com o Coritiba.

"Parte dessas dívidas começam a ser pagas amanhã (sexta). Uma série de outras que incomodam quando você não está em dia também serão colocadas, resolvendo os problemas não totalmente, mas parcialmente", afirmou. "A gente tem de resolver os problemas com empresários e outras equipes. Sei que o (departamento) financeiro, com o Emerson Piovesan, está resolvendo esses problemas", completou. O Penapolense cobra o calote pelo meia Marlone, enquanto o SEV Hortolândia aguarda pagamento por Vilson.

O diretor de futebol reconheceu a dívida com intermediários nas negociações, mas enfatizou que as contas estão em dia com os profissionais corintianos. "Enquanto a gente vê pelo Brasil inteiro clubes devendo dois, três, quatro meses (de salários) e tendo problemas com o Profut, aqui estamos estritamente em dia com os profissionais do futebol", defendeu. Segundo Flávio Adauto, no último mês, os salários foram pagos antecipadamente.

Depois de anunciar o atacante Clayson, o Corinthians confirmou interesse em mais jogadores para reforçar o elenco para a disputa do Campeonato Brasileiro. "A gente não vai parar, mais dois ou três jogadores, existe essa possibilidade", confirmou o diretor de futebol do clube. O lateral-direito Cicinho, que está no Ludogorets, na Bulgária, é um desses atletas.

"Provavelmente, em algumas posições pontuais, a gente tenha reforços para ter um grupo preparado para uma competição muito longa, que é o Brasileiro, faltam 37 jogos, e a Copa Sul-Americana, que a gente tem pretensão de ir adiante. Poderemos ter, sim. Quais? Como? Quando? Quando estiver quase tudo certinho, a gente anuncia", finalizou Adauto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.