Em decisão do seu Conselho, Fifa demite juiz e troca chefe de investigação

Hans-Joachim Eckert foi o responsável por tomar importantes decisões nos últimos anos

O Estado de S.Paulo

09 Maio 2017 | 16h10

O Conselho da Fifa decidiu nesta terça-feira demitir o juiz alemão Hans-Joachim Eckert, que tomou decisões importantes nos últimos anos, como a suspensão aplicada ao ex-presidente da entidade, Joseph Blatter. O Conselho também não vai renovar o mandato do chefe de investigação da entidade, o suíço Cornel Borbely.

O mandato de ambos se encerrará na quinta-feira, durante o Congresso da Fifa que está sendo realizado em Manama, no Bahrein. Pela decisão do Conselho, que é liderado pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, eles não seguirão em seus cargos.

Seus substitutos já foram definidos, mas precisam ser aprovados pelo congresso, na quinta. O juiz grego Vassilios Skouris foi escolhido para ocupar o lugar de Eckert, enquanto a advogada colombiana Maria Claudia Rojas deve substituir Cornel Borbely. Skouris foi presidente da Corte de Justiça Europeia durante 12 anos, até 2015. 

Com a alteração, Skouris e Claudia Rojas vão comandar os órgãos voltados a investigações de casos de quebra de ética. A troca no comando destes órgãos sinaliza grande mudança dentro da Fifa, uma vez que Eckert e Borbely tinham grande autonomia para conduzir suas investigações, na esteira dos últimos escândalos de corrupção que abalaram a entidade.

Juntos, eles suspenderam Blatter, o francês Michel Platini, então candidato à presidência da Fifa, e o ex-secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, por corrupção. A dupla não tinha a intenção de deixar o órgão.

Cornel Borbely deixará a Fifa em meio à investigação sobre suposta corrupção na escolha da Alemanha como sede da Copa do Mundo de 2006. Um dos investigados é o ídolo alemão Franz Beckenbauer, além de dirigentes de peso do futebol daquele país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.