1. Usuário
Assine o Estadão
assine

São Paulo decepciona e fica no empate com o Red Bull em jogo fraco

- Atualizado: 30 Janeiro 2016 | 23h 47

Time de Bauza é apático e, mesmo saindo na frente, cede o 1 a 1

Às vésperas de estrear na Libertadores o São Paulo teve uma atuação fraca para quem está perto de disputar uma competição tão importante. Uma atuação pouco criativa em um jogo violento fez o time ficar somente no 1 a 1 neste sábado, em Campinas, com o Red Bull, na abertura do Campeonato Paulista.

O técnico Edgardo Bauza considerou o jogo como um teste final para a estreia na Pré- Libertadores, na quarta-feira, contra o Cesar Vallejo. O time foi com a força máxima, para ganhar entrosamento e corrigir possíveis falhas. A formação tem treinado desde o início da temporada e começa a demonstrar um novo perfil.

O futebol cadenciado e com foco na posse de bola é uma das marcas das equipes de Bauza. O novo estilo, porém, não fez a partida ser atrativa, pelo contrário. No primeiro tempo o São Paulo rondou a área demais, trocou passes com lentidão e arriscou pouco. Mas mostrou ter um novo ponto forte.

Argentino Centurión pouco apareceu no duelo com o Red Bull em Campinas
Argentino Centurión pouco apareceu no duelo com o Red Bull em Campinas

As bolas paradas são a obsessão do treinador argentino. Na véspera do jogo fechou o treino somente para treinar faltas e escanteios. E deu resultado. Breno cabeceou no travessão logo aos quatro minutos e Ganso, aos 43, completou um escanteio cabeceando no contrapé do goleiro para abrir o placar.

São Paulo em 2016
Washington Alves|Reuters
Ganso

Ganso foi um dos destaques do Sâo Paulo na hora de controlar a pressão do Atlético-MG no Horto

A vantagem de 1 a o salvou uma etapa inicial de futebol pobre. O caráter de “laboratório” do jogo para o São Paulo não impediu lances duros, faltas violentas, cartões amarelos e muitas discussões.

O adversário da estreia no Estadual esteve longe de amedrontar, tanto pelo futebol como pelo ambiente. Sem a tradição dos grandes clubes, o Red Bull não atrai seguidores e decidiu destinar maior parte da carga de ingressos à torcida do São Paulo, para ter mais arrecadação. Portanto, a equipe do Morumbi se sentiu quase como mandante.

Se não fosse o gol, o lance mais marcante do primeiro tempo teria sido uma falta cobrada pelo São Paulo. O Red Bull posicionou um jogador deitado atrás da barreira para impedir que um chute rasteiro surpreendesse o goleiro Saulo.

Após o intervalo, a desvantagem fez o time mandante tentar avançar. A postura deu espaços para o São Paulo que, pouco inspirado, não conseguiu aproveitar. Em uma das oportunidades, Alan Kardec entrou sozinho na área, tentou passar pelo goleiro e perdeu a bola.

Por não conseguir matar o jogo o 1 a 0 se tornou aos poucos um resultado perigoso. O Red Bull já tinha acertado um chute no travessão, e apesar da limitação técnica conseguiu arrumar o sonhado empate. 

O árbitro deu um pênalti aos 25 minutos por um puxão de camisa durante disputa de bola área. Na confusão o cartão amarelo saiu para Hudson, mas quem cometeu a infração foi Lucão. O ex-são-paulino Roger bateu com força para igualar.

O empate não alterou muito a postura das equipes. O Red Bull pareceu satisfeito por segurar o São Paulo, enquanto o time do Morumbi deu mostras de se poupar para a Libertadores. Bauza tirou Ganso e depois disso o time pouco atacou. Teve uma chance nos acréscimos, mas Carlinhos chutou para fora.

No jogo pouco atrativo e em que os lances principais foram de bola parada, fica como alento ao torcedor do São Paulo um posicionamento melhor do time. A equipe se mostrou mais compacta e sofreu menos sustos, como tanto tem prioridade Bauza durante o seu início de trabalho no clube.

FICHA TÉCNICA

RED BULL 1 x 1 SÃO PAULO

RED BULL: Saulo; Everton Silva, Willian Magrão, Dráusio e Willian Rocha; Luan (Maylson), Nando Carandina e Thiago Galhardo; Igor Sartori (Willie), Misael (Maxwell) e Roger. Técnico: Maurício Barbieri.

SÃO PAULO: Dênis; Bruno, Breno (Lucão), Rodrigo Caio e Mena; Hudson e Thiago Mendes; Michel Bastos, Ganso (Rogério) e Centurión (Carlinhos); Alan Kardec. Técnico: Edgardo Bauza.

Gols: Ganso, aos 43 minutos do primeiro tempo. Roger, aos 25 minutos do segundo tempo.

Juiz: Marcelo Rogério

Cartões amarelos: Ganso, Breno, Nando Carandina, Alan Kardec, Roger, Hudson, Lucão.

Renda: R$ 204.755,00.

Público: 5.606 pagantes.

Local: Moisés Lucarelli, em Campinas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.