Diego Vara / Reuters
Diego Vara / Reuters

Em negociação com Barcelona, Grêmio garante Arthur até o final do ano

Presidente Romildo Bolzan Júnior conversa com time catalão para vender o volante

Estadão Conteúdo

14 Fevereiro 2018 | 16h50

O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, negou nesta quarta-feira que o clube tenha chegado a um acordo com o Barcelona para a venda do volante Arthur. O dirigente admitiu que há negociação e que o único acerto definido é que o jogador ficará no time gaúcho até o término da temporada.

+ Rivais em 1996, Grêmio e Independiente começam a reeditar a final da Recopa

"Existe negociação. Existe avanço. Uma deles é que o Arthur ficará conosco o ano inteiro. Mas o Grêmio não finalizou. Não tem proposta definida, valor definido. O Grêmio tem sua proposta, mas não recebeu retorno. O Grêmio não tem negócio fechado", comentou.

O dirigente falou sobre a negociação em entrevista coletiva em Buenos Aires, na Argentina, onde o Grêmio enfrentará o Independiente nesta quarta-feira, às 22 horas, no jogo de ida da Recopa Sul-Americana. A declaração foi dada para negar reportagem do jornal espanhol Mundo Deportivo, que confirmou o acerto entre os clubes.

"Repito não há absolutamente contato há mais de mês sobre essa situação. Conosco, Grêmio, não houve finalização", informou. "Não nos avisaram que o Arthur está vendido. Vou levar em conta que é uma matéria jornalística, que possa ter surgido de fontes internas".

O Grêmio pediu 30 milhões de euros (cerca de R$ 120 milhões) pelos direitos federativos de Arthur. No entanto, de acordo com o Mundo Deportivo, o "empréstimo" de Arthur ao Grêmio até o final do ano poderia baratear a negociação final e o Barcelona pagaria então 25 milhões de euros (R$ 100 milhões).

Arthur foi um dos grandes destaques gremistas na conquista da Copa Libertadores. Mas, devido a uma grave lesão no tornozelo esquerdo, ele ficou fora do Mundial de Clubes da Fifa e ainda não estreou na atual temporada. O volante ficou de fora da viagem para Buenos Aires e não tem data para retornar aos gramados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.