Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Em retorno, Cuca diz voltar ao Palmeiras em momento de mais pressão

Treinador admite reassumir elenco com muito mais responsabilidade para buscar títulos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

09 Maio 2017 | 12h48

O técnico Cuca se apresentou nesta terça-feira ao Palmeiras para assumir o comando do time. Aos 53 anos, o treinador campeão brasileiro de 2016 retorna à equipe com contrato válido até o fim do próximo ano. Na primeira entrevista coletiva no cargo, ele admitiu que nesta segunda passagem, chega ao clube em um momento de mais pressão, já que a expectativa por títulos é maior em comparação ao ano passado.

Cuca treinou o Palmeiras entre março e dezembro de 2016 e agora volta para substituir Eduardo Baptista. "O momento é inverso. O Palmeiras se autopressionou por conta disso, por achar que vai ganhar tudo. Acho que foi prejudicial até para o Eduardo, porque no primeiro campeonato que ele não ganhou teve cobrança muito grande. E ele tinha campanha muito boa em percentual de pontos. Isso atinge o treinador, o jogador, que fica pressionado. O Palmeiras investiu muito, mas o futebol não é assim", explicou.

Na apresentação do treinador esteve presente o casal dono da Crefisa, patrocinadora do clube. Leila Pereira e José Roberto Lamacchia vão bancar as premiações para Cuca estipuladas em contrato. A empresa também investiu na contratação de reforços para esta temporada, incluindo o mais caro deles, o atacante colombiano Miguel Borja por R$ 33 milhões. Cuca passou os últimos cinco meses afastado do futebol e aproveitou para resolver problemas familiares.

"Eu estava com alguma dúvida, sinceramente, em voltar ao Palmeiras, porque é muito precoce. Tinha condição de sair também. Um dos motivos principais que me fez vir foi o conhecimento de casa que tenho. É um trabalho muito difícil, responsabilidade muito maior, mas com conhecimento de casa", disse Cuca. O técnico tinha sondagem do futebol chinês, onde atuou entre 2014 e 2015.

O treinador vai estrear no domingo, contra o Vasco, pelo Campeonato Brasileiro, no Allianz Parque, e tem como prioridade a busca pelo título da Copa Libertadores. O próximo jogo do time em casa pela competição será dia 24, contra o Tucumán, em casa. O Palmeiras precisa do empate para se classificar às oitavas de final.

Além de admitir a cobrança por título, Cuca garantiu não ter vivido problemas de relacionamento com o time. "Sempre tive ambiente bom. Nunca briguei com diretoria ou jogador. Tem situações que você tem que pôr o dedo, e eu faço isso, como posso voltar a fazer, sempre no intuito de melhorar, seja o time, o jogador e a pessoa", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.