Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

Corrupção deixa buraco de US$ 1 bilhão nas contas da Copa de 2018

Em 2015, déficit foi de mais de US$ 100 milhões para a Fifa

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2015 | 16h10

A Fifa acumula um prejuízo milionário de US$ 103 milhões diante do pior escândalo de corrupção na entidade e, para a Copa de 2018, o buraco no orçamento chega a US$ 1 bilhão (R$ 3,8 bilhões). Fontes em Zurique confirmaram que o escândalo de corrupção que assolou a entidade máxima do futebol está tendo uma forte repercussão nas contas da Fifa. O Estado havia antecipado com exclusividade a crise financeira da entidade, a primeira em 14 anos e que marca uma reviravolta na situação da Fifa. Com a Copa de 2014 no Brasil, a Casa de Blatter havia atingido seu auge financeiro, com lucros e uma renda recorde de US$ 5,7 bilhões.

Mas a prisão de cartolas em maio deste ano mudou tudo. Hoje, ao apresentar os números aos executivos, o Departamento Financeiro indicou que a queda da renda ocorreu por causa da fuga de patrocinadores, que hesitam em assinar qualquer tipo de acordo comercial com a Fifa. Mas os problemas financeiros também vêm dos custos legais diante da contratação de advogados para defender alguns dos principais cartolas, entre eles Joseph Blatter.

Até mesmo a Copa de 2018 acabou afetada. Para o orçamento para o evento, que se estima em US$ 5 bilhões, cerca de 20% não conseguiram ser arrecadados. O valor chega em US$ 1 bilhão em receitas. Para fontes em Zurique, a Fifa deu sinais de que esse valor pode ainda ser recuperado nos próximos três anos. Pelo menos três multinacionais estariam dispostas a assinar um acordo com a entidade. Mas querem garantias de que as reformas vão ocorrer.

Em uma carta, os patrocinadores voltaram a alertar que a reforma precisa ocorrer e que as mudanças precisam ser monitoradas de forma independente. "A crise é muito profunda e precisamos tratar dela com humildade", disse Michel D'Hooghe, um dos membros do Comitê Executivo da Fifa. Para reverter a crise financeira, os executivos sabem que precisam aprovar uma reforma da entidade ainda nesta semana, dando novas regras, limites de mandatos e transparência.

BRILHANTES

A Fifa ainda aprovou a entrada do novo representante do Brasil na entidade, Fernando Sarney. Ao assumir o cargo que era de Marco Polo Del Nero, Sarney ganhou um broche de ouro, encrustrado com brilhantes. Parte de seu dia ainda inclui tirar as medidas para que os alfaiates da Fifa possam produzir ternos "oficiais" da entidade ao brasileiro. Por ser o primeiro membro do Brasil na Fifa a falar inglês nos últimos 15 anos, Sarney gerou comentários positivos dos demais membros da entidade.

Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.