Etti Jundiaí quer um empate na Vila

O Etti Jundiaí vai até a Vila Belmiro, nesta quarta-feira à noite, disposto a somar um ponto. Este é o objetivo traçado pelo técnico Giba, que tem boas recordações de sua passagem pelo Santos na temporada de 2000, quando conquistou o vice-campeonato paulista. Baseado em toda sua experiência no clube santista, Giba já sabe o que pode ou não fazer em campo. "Nosso time precisa ter personalidade. Se deixar o Santos à vontade, o negócio fica preto e eles nos atropelam", explicou Giba, garantindo que não tem nenhum sentimento de vingança por ter sido dispensado do clube. "Muito pelo contrário, sou grato ao Santos pela oportunidade que me deu. Tenho certeza de que deixei as portas abertas na Vila", completou. A sua matemática também contempla o time com apenas um ponto em Santos, porque ele acredita que poderá garantir a classificação nos jogos em casa. "Um ponto fora e nestas circunstâncias é valioso. Em casa temos a obrigação de vencer", revela seus planos. Para levar adiante sua missão, ele deve reforçar a marcação no setor de meio-campo. O meia Jackson está suspenso pela expulsão na vitória sobre o Americano, por 3 a 2, e sua vaga é disputada por Lauro e Wallace. Nas demais posições, não haverá mudanças. O retorno do volante Vágner Mancini foi descartado, porque ele ainda está fora de sua melhor forma física após ficar machucado durante duas semanas. Outro que voltará a pisar no gramado da Vila Belmiro é o zagueiro Márcio Santos, tetracampeão mundial em 1994 pelo Brasil, mas que também não demonstra nenhum ressentimento. Ele também passou pelo clube em 2000, junto com o próprio Giba. "Só quero representar bem meu clube. Não existe nada de vingança", garantiu o zagueiro, titular há quatro jogos. O Etti Jundiaí tem 16 pontos e ocupa a oitava posição, o que ainda lhe permite sonhar com uma vaga nas semifinais. Nos bastidores, o Etti Jundiaí ainda vive sob tensão pelos desentendimentos entre a direção da empresa Parmalat e os dirigentes do clube que buscam um acordo decisivo para formalizar o final da parceria que durou apenas quatro anos.

Agencia Estado,

19 Março 2002 | 16h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.