1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Eurico ataca Ferj e liga e diz que Flamengo x Vasco será em Brasília

- Atualizado: 07 Março 2016 | 22h 39

O presidente do Vasco, Eurico Miranda, exibiu, nesta segunda-feira, toda a sua irritação com a divulgação da tabela da Taça Guanabara, a segunda fase do Campeonato Carioca, e disparou críticas contra a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), a TV Globo, detentora dos direitos de transmissão do torneio estadual, e a Primeira Liga, organizadora da Copa Sul-Minas-Rio.

O dirigente, que é contra a realização do torneio regional, que conta com a presença dos rivais Flamengo e Fluminense, lembrou que a Ferj havia proibido a participação de equipes em torneios paralelos ao Campeonato Carioca, mas reclamou que isso vem sendo ignorado e até provocou interferências na tabela do Estadual. Para ele, os regulamentos não estão sendo cumpridos.

"Todos tem conhecimento da historia dessa Liga e dos desenvolvimentos, como foi feito e etc. Só que teve uma decisão. E qual foi? Clara. Teve uma decisão que seriam permitidas partidas amistosas e que a Primeira Liga poderia ser autorizada a partir de 2017. Ignoraram isso tudo. E essas coisas são colocadas na mídia, como a tabela da Liga. E com a conivência da CBF e da Federação. A Federação diz que está tomando posição e vou dizer o porquê que não toma. E pior: Com a conivência da televisão, que sabedora disso, ignora e divulga essa competição. Existe uma decisão do Arbitral da Federação de que os clubes não poderiam disputar qualquer outra competição que colidisse com o Campeonato Estadual. Eu estou vendo as coisas acontecerem", disse.

Diante desse cenário, Eurico avisou que não está mais preocupado em cumprir as determinações da Ferj, inclusive a que exige a aprovação da entidade para a realização de partidas fora do Rio. Assim, revelou que o clássico com o Flamengo, pela quarta rodada da Taça Guanabara, com mando do rival e marcado para 30 de março, vai ser em Brasília.

"Eu cheguei à conclusão que na verdade o que está acontecendo é uma situação de 'barata voa'. E na 'barata voa' vale qualquer coisa. E eu estou entrando nessa de 'barata voa'. Não sei quais são as consequências. Não estou preocupado, mas definitivamente estou mudando os meus conceitos. Quando eu achava que o campeonato estadual tinha por obrigação ser defendido a todo custo. O meu conceito é que o campeonato estadual se disputa dentro do Rio de Janeiro. Estou mudando tudo. Agora se eu resolver jogar fora, vou jogar. E que não me venha essa história de que tem que ter autorização. Porque não tem que ter autorização para nada mais. As coisas acontecem. O que eu quero deixar bem claro é que eu não quero que a mídia venha me contestar se eu entender que não vou jogar um jogo aqui no Rio de Janeiro, que eu vou jogar fora. Se eu entender que o que a televisão determina, mesmo com a alegação de que é um dispositivo contratual, fere os meus interesses, tenho todo o direito de negar. E se vocês querem saber, Vasco x Flamengo será em Brasília".

A revolta de Eurico se deu pela decisão da Ferj de marcar a estreia do Vasco na Taça Guanabara, diante do Bangu, para o próximo domingo. A programação inicial era de que a partida seria realizada nesta quarta-feira.

"Eu queria saber por exemplo, porque razão, entre todos, escolheram o meu jogo para ser o da TV.no domingo. Porque não sábado? Porque não o clássico? Me consultaram? Dizer que não vai ter Vasco, mesmo quando a programação e todos já diziam que jogaríamos na quarta-feira, sem sequer consultar o Vasco? Está no contrato, tá bom. Então eu vou repetir. Vou cumprir dessa vez, da próxima eu não sei", reclamou.

Eurico classificou a realização da Copa Sul-Minas-Rio, que já está na rodada final da fase de grupos, como uma "esculhambação". Além disso, o dirigente revelou que o Vasco nunca foi convidado para fazer parte da liga que organiza o torneio.

"Daqui a pouco vamos ter o campeão da Primeira Liga. Virou uma esculhambação. Essa chamada Primeira Liga já teve a ousadia de mandar para a CBF um decálogo. Por que? Pois ela é conhecida como Liga. Por quem? Eu não estou nessa liga, não fui chamado para isso. Uma coisa tem que ficar muito clara. Liga para acontecer nesse país é preciso que todos os clubes sentem, discutem e possam chegar a uma conclusão de criação de uma Liga ou não. Não vamos enganar as pessoas, a opinião pública", comentou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX