1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Copa 2014

Ex-atacante luta por espaço na lateral da Alemanha

MATEUS SILVA ALVES - Agência Estado

13 Junho 2014 | 12h 45

Na cabeça de Joachim Löw, o dono da lateral esquerda da Alemanha na Copa do Mundo seria Marcel Schmelzer, jogador do Borussia Dortmund. Uma lesão de joelho, no entanto, tirou o jogador do Mundial e, de repente, o treinador ficou sem um lateral-esquerdo. Ou melhor, ficou com um lateral "inventado" recentemente: Erik Durm, revelação do Dortmund que era atacante até poucos meses atrás. E que, além do mais, é destro.

Atacante desde que deu seus primeiros chutes em uma bola, ainda na infância, Durm foi transformado recentemente em lateral-esquerdo por uma necessidade de seu time. Ele se adaptou tão bem à nova posição que por lá ficou. Entretanto, Durm gosta de dizer que ainda pensa como se fosse um homem de frente.

"Durante 15 anos da minha vida eu joguei no ataque", contou Durm em entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira em Santa Cruz Cabrália, Bahia, onde a Alemanha treina para a Copa. "Agora, no entanto, sou um defensor e meu trabalho é evitar os gols dos adversários. Mas ainda gosto de atacar, sempre que posso vou à frente para tentar fazer gols. Na verdade, eu nunca vou pensar totalmente como um defensor."

A vida de Durm mudou muito nos últimos meses, e a troca de posição foi apenas uma das mudanças. O jogador de 22 anos foi convocado para a Copa tendo disputado menos de 20 partidas do Campeonato Alemão em sua carreira. Isso foi o bastante, no entanto, para convencer Löw de que ele tem futebol para estar no Brasil com a seleção.

O treinador da Alemanha tem elogiado o progresso de Durm como jogador de defesa, mas, ainda assim, dificilmente vai apostar nele como titular contra Portugal, segunda-feira, na estreia do time no Mundial. Preocupado com os contra-ataques portugueses - e com Cristiano Ronaldo, evidentemente -, Löw deverá improvisar o zagueiro Höwedes na lateral esquerda.

Durm, no entanto, diz que está tranquilo e que espera ganhar espaço ao longo do torneio. "Se eu ficar no banco, vou estar pronto para dar 100% do que posso quando for chamado para entrar em campo", afirmou o jogador.

Copa 2014