Brendan McDermid|Reuters
Brendan McDermid|Reuters

Ex-dirigente da Concacaf é condenado a 15 meses de prisão por corrupção

Sentença pode ser considerada leve para o cartola, que já cumpriu 10 meses de detenção na Suíça

Estadão Conteúdo

31 Outubro 2017 | 16h46

Costas Takkas, ex-assessor do presidente da Concacaf, foi condenado nesta terça-feira a 15 meses de prisão em Nova York. A sentença pode ser considerada leve para o cartola, que já cumpriu 10 meses de detenção na Suíça e poderá voltar à liberdade daqui a apenas cinco.

+ Sentença contra ex-colega causa apreensão nos aliados de Marin

Takkas também já foi dirigente na Concacaf e estava envolvido no escândalo de corrupção da Fifa. O dirigente se declarou culpado por crime de lavagem de dinheiro quando morava na Suíça. Chegou a cumprir dez meses da pena no país sede da Fifa, mas depois foi extraditado para os Estados Unidos.

Em maio de 2015, quando a Fifa fez uma operação de busca e apreensão em um hotel em Zurique, Takkas foi um dos sete nomes ligados ao futebol presos naquele dia.

Takkas vem sendo acusado de aceitar subornos de milhões de dólares para o então presidente da Concacaf, Jeffrey Webb. O escândalo envolvia à venda dos direitos de comercialização de imagens para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014. Webb, que também se declarou culpado, aguarda sentença.

Mais conteúdo sobre:
futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.